Saturday, September 25, 2021

A BESTA E O BURRO

 


London (CNN)In the week that world leaders gathered in New York City for the UN General Assembly, one person's absence cast a long shadow over what was already set to be a tense few days.

French President Emmanuel Macron was never going to be at UNGA in person. It was, however, impossible to detach his non-attendance -- even in virtual form -- from the spat that broke out following the submarine deal between Australia, the UK and US (AUKUS), which subsequently saw the Australian government ditch a multi-billion-dollar agreement with France.
French officials have been, justifiably, furious. Three of its supposed allies struck a deal behind its back with one reneging on a contract agreed years ago. For a man who has spent his presidency presenting himself as Europe's most serious leader both internally and on the world stage, it was a major embarrassment .- aqui

 

GOLPES AUTÁRQUICIOS

Há muitos. Este, é apenas um exemplo:

Golpe em Idanha-a-Nova da mulher de ex-autarca

Médica anestesista reformada e casada com Joaquim Morão, um histórico autarca e membro da Comissão Política Nacional do PS, conseguiu 16 hectares de terras do Estado destinadas, em primeiro lugar, a jovens agricultores. Recebeu mais de 63 mil euros em subsídios e seis anos depois o terreno está praticamente abandonado.

Tuesday, September 21, 2021

GOLPE NA GALP

À COSTA

“Há oito meses que apelamos a que o primeiro-ministro venha a terreiro assumir a defesa da refinaria e dos postos de trabalho”, disse ao PÚBLICO Hélder Guerreiro. “Enviámos n cartas, pedimos n reuniões, ao primeiro-ministro e ao Presidente da República, e nada”, lamentou.

Agora, sobre as críticas à Galp em pleno comício de apoio à recandidatura de Luísa Salgueiro, Hélder Guerreiro defende que António Costa “cole as palavras aos actos” e exija a reversão do encerramento da refinaria. “Sejam campanha [as palavras] ou não, não se lhes pode negar um significado verdadeiro, mas agora é preciso concretizar”, afirmou.

Um trabalhador contactado pelo PÚBLICO garante que as palavras do primeiro-ministro na noite de domingo deixaram “as pessoas mais estupefactas e mais indignadas do que já estavam, porque quem não conhece a história até poderia pensar que não teve nada a ver com o assunto”.

“Se havia alguém que podia ter mandado parar tudo e analisar as coisas era ele [Costa]”, acrescentou.

Wednesday, September 15, 2021

A IMPORTÂNCIA FUNDAMENTAL DE UM MINISTRO


"O Cabrita é tão importante para o PM porque enquanto olham para o Cabrita não olham para as suas nódoas" 

c/p - "Isto é gozar com  quem trabalha" - RAP

Monday, September 13, 2021

O BUSTO

 

Tinha confirmado estar no almoço com uns velhos amigos, mas atrasei-me com a demora de um interrogatório da polícia. Saí de lá arguido.

Sou, ou estou, deve dar no mesmo, arguido num processo crime de roubo. Sou acusado de ser autor material ou moral do roubo de uma escultura, um busto, um bem público, assente em pedestal de pedra com identificação do esculpido, segundo relatório da polícia nos autos. 

Quem é ou quem foi o homenageado?

Perguntei a residentes no lugar antes da ocorrência do roubo de que sou acusado; ninguém soube dizer.

Não estranhei, pela figura exposta se adivinhava que foi pessoa de finais do século dezoito, começos do dezanove. Quando morreu, mesmo que tenha morrido velho, ainda não tinha nascido, à excepção de um ou outro teimoso resistente, quase toda a gente, que é pouca, hoje residente na localidade.

Cara redonda, olhos decididos, bigode farto, grisalho, habitual nas elites  daquele tempo, calvo, sobram-lhe cortados curtos os cabelos brancos que rodeiam a calvície. Ombros largos, a gravata sobressai no peito, sobre a camisa, entre as bandas subidas do casaco apertado, de bom corte.

Quem foi, quem não foi, se lesse a inscrição no pedestal ficaria a saber que o homem vivera mais de noventa anos, nascera na sede do concelho, fora ministro dos três últimos governos que precederam a ditadura, durante cerca de nove meses.

E, localmente, o que fizera o homem para merecer busto, plantado ali num sítio onde só o raro trânsito automóvel passa apressado porque apeado ninguém tem motivos para passar por lá?

Era, disse-me um vogal da junta local, há mais de cem anos, proprietário de largos hectares de pinhal onde, de uma fonte, jorrava água virtuosa. Viu o feliz contemplado pela mãe natureza oportunidade para um empreendimento de engarrafar e vender o líquido. Terá ganho muito dinheiro? Talvez. Mas o negócio da água não se terá sustentado muito tempo porque há setenta anos, garantem os sobreviventes, ou a fonte se terá esgotado, hipótese possível porque os lençóis de água capricham por vezes em mudar de cama, ou o negócio tornou-se desinteressante, e já, então, ninguém sabia quem era o homem nem bebia a sua água engarrafada.

Quanto ao sítio deserto, disse o vogal da junta, tinha sido escolhido por ser ali que começava o limite da sua propriedade. Simbolicamente, o homenageado terá sido instalado junto a um imaginário portão, quase cem anos depois de entrar para um governo, que ameaçava cair em qualquer momento,  como anfitrião de quem entrar no pinhal, que ninguém sabe, e muito menos o busto, a quem a propriedade pertence agora.

Parece-lhe bem que a junta tenha gasto uns largos milhares do orçamento para colocar lá aquele despropósito? 
Muitos apoiaram a obra do autarca, muitos ignoraram, poucos contestaram e discutiram, defendendo ou atacando, em privado,  o busto.
Desaparecido o busto, quem antes batera palmas no descerramento com a presença do presidente da câmara e outras individualidades paroquiais,  ria-se depois com o facto rocambolesco do roubo de uma coisa que, afinal, não lhes interessava minimamente. 
Quando cheguei para o almoço, já os meus compinchas tinham entrado na sobremesa.

Desculpem o atraso, fui chamado à polícia, acusam-me de ser autor material ou moral do furto do busto; saí de lá constituído arguido.

(Gargalhada geral)

Nenhum de nós acredita que tenhas sido capaz de ter roubado aquilo; mas foi bem roubado, penso eu.

Pensas tu porque não valorizas o investimento cultural; o capitalismo não valoriza o investimento público, sobretudo na cultura, se não vê escorrer-lhe lucro para o bolso.

Fala o apoiante do autarca...

Com muita honra.

... com ligação directa ao presidente da câmara, com ligação directa ao chefe do governo; é assim que se consomem os dinheiros públicos, em obras de oh pacóvio olha o balão; como o dinheiro não lhes sai directamente dos bolsos, qualquer obra, mesmo que seja obra de caca, merece palmas dos tansos.

Fala a dor de cotovelo; se a obra tivesse sido feita por autarca do teu partido, seria boa e prestigiante para a freguesia.

Prestigiante? Mas que prestígio traz um busto de um fulano que ninguém sabe quem foi, que já desapareceu há quase meio século sem cá deixar rasto, colocado num sítio por onde ninguém passa?

É um símbolo cultural; nós defendemos o investimento na cultura.

Nós também, mas nós sabemos como se deve investir na cultura; e sabemos que o investimento no busto foi um investimento do autarca nele mesmo, querendo passar sub-liminarmente a mensagem de que a autarquia investe na cultura; é um logro!

Nós, o que vemos no busto é uma disfarçada homenagem ao capitalismo; contribuiu a riqueza do latifundiário para o desenvolvimento económico da região, para a melhoria das condições de vida das pessoas que aqui viviam na altura? estou informado que naquele tempo todos os terrenos nas imediações do pinhal pertenciam a pequenos proprietários, eram hortas onde cultivavam milho, centeio, batata, feijão, nabo, cenoura, couve, alface, toda a espécie de legumes porque o terreno era fértil nas várzeas, onde corria e ainda correm ribeiros; nas encostas havia vinhedos e pomares; hoje o que há à volta, num diâmetro de quilómetros, do sítio onde meteram o busto do político ricalhaço? silvas, mato, a dominar tudo por abandono daqueles que foram obrigados a emigrar; onde antes se via  gente a criar riqueza hoje não se vê ninguém.

Fala o comunista que continua a ver capitalismo monopolista em todo o lado; até aqui, onde a propriedade, mesmo a maior, nunca teve tamanho suficiente para enriquecer ninguém; e a água, pelos vistos, sumiu-se do mesmo modo que apareceu.

Já cá faltava o anti-comunismo primário; quando é que esta gente é capaz de ver o mundo com olhos de ver  e perceber que o liberalismo económico só tem conduzido ao crescimento galopante da desigualdade em todo o mundo? às alterações climáticas que estão a destruir o planeta; o do busto fez, no seu tempo, parte da elite que manteve este país ignorante durante décadas.

Estás confundido; o homem não foi ministro durante a ditadura; era ministro quando os militares fizeram o golpe do vinte oito de maio; ainda assim, sobreviveu dois dias como ministro; foi um sobrevivente da primeira república; deve ser esse o mérito que mereceu o busto.

Só agora? 
 
Mais vale tarde que nunca.
 
Mais valia nunca do que agora; se, durante dezenas de anos, gerações seguidas não se lembraram do indivíduo, esqueceram-se completamente dele, porque carga de água, ocorreu a este autarca gastar dinheiro com obra despropositada? só há uma resposta, óbvia: esta e outras obras sem mérito cultural ou económico, servem para os autarcas distraírem os basbaques e caçar-lhe os votos enquanto os mantém de boca aberta: dinheiro em mãos da ignorância não serve a cultura mas a ganância de poder a todo custo;
 
Ele foi um dos lançaram o país na bancarrota, depois de quarenta e cinco governos em dezasseis anos de bagunça, que conduziram à ditadura; um tipo destes merece um  busto, aqui, onde, que se saiba, nunca fez nada para além de só tirar proveito próprio das suas terras a vender água engarrafada?

Isso são águas passadas, passe o trocadilho; o que mais importa agora é saber como se permite um autarca, que por ignorância ou vaidade cega derrete milhares num busto, como se esses dinheiros não fizessem falta em investimentos realmente importantes para a população desta terra; o que lá vai, lá vai, se há alguma coisa a aprender com o passado é a lição de que a má política no uso dos dinheiros públicos corrói a democracia ...

Continua a corromper ...

... tentar passar ideia de que uma homenagem, despropositada no tempo e no espaço, a um ministro da primeira república numa terra onde poucas vezes terá posto os pés, é um acto de serviço à cultura é uma desavergonhada burla.

Para quem desvaloriza a cultura, qualquer investimento cultural é um desperdício com intuitos demagógicos.

Nós também queremos que o investimento na cultura seja reforçado mas concordamos que este investimento não valoriza a cultura desta freguesia; há muitos investimentos à espera de verbas que, esses sim, podem contribuir para a valorização das populações; não se valoriza a cultura com homenagens a quem não serviu o povo, para além de ter sido irrelevante a sua intervenção política há quase um século; trata-se do investimento numa obra, a todos os títulos, despropositada; esta aldeia, …

Agora é vila.

... agora é vila mas é menos vila que antes; noutros tempos …

Queremos falar do passado ou do futuro?

... falamos do presente; esta vila é sobretudo um dormitório dos que trabalham fora dos seus limites; há casas desertas há anos, e as ruas são de travessia automóvel da freguesia; não há agricultura mas também não há indústria, há escolas mas os professores residem na sede do concelho e o mesmo acontece com os médicos do posto de saúde; a população residente decresceu, as actividades culturais locais estão em extinção; e, no meio deste contexto, de que se lembra a junta? encomendar um busto a um escultor e a peanha a um canteiro para celebrar um fulano que cá não deixou nem rasto.

Devemos apoiar os artistas, os artistas plásticos; o mesmo é dizer que devemos apoiar a cultura.

Não para a concepção e execução de um busto que nada diz ao povo desta terra.

Diz, diz;

Diz nada; o povo bate palmas se vê bater palmas, desde que não lhe peçam dinheiro para isso.

Pedir, não pedem, tiram-lho sem que ele se aperceba; tiram-lhe em impostos e taxas em número incalculável...

Incalculável, porquê? é só contar, não?

... experimenta contar e diz-me quando souberes;

Mas, afinal, que fizeste tu para te chamarem à polícia e te constituírem arguido por suposto larápio do busto? foste apanhado em flagrante delito?

(Gargalhada geral)

Há meses encontrei o Valter, que insiste em tornar o seu semanário, o único do concelho, mais interventivo e menos paroquial; é uma aposta perdida mas ele insiste; quando o jornal noticiava nascimentos, casamentos, funerais e chegadas de emigrantes nas férias, o jornal vendia-se, até muito no estrangeiro, assinado pelos emigrantes; foi chão que deu uvas, disse-me ele, e quis dar uma volta ao jornal; convidou gente dos partidos, alguns dos quais, que muito respeito, se sentam aqui à volta desta mesa, e o jornal tornou-se campo de lutas ideológica; com cada qual a opinar para o seu lado, as assinaturas caíram redondamente, ninguém quer ler jornal que dê guarida a baboseiras de políticos de outros quadrantes, palavras do Valter; convidou-me para, também palavras dele, temperar o ambiente, com perspectivas menos radicalizadas para recuperar alguns leitores moderados, que também há, não é verdade? perante a insistência do Valter de manter o jornal mesmo continuando a perder dinheiro porque a publicidade também convive mal com disputas partidárias, passei a enviar pequenos comentários, o mais apartidários possível; e o que é que o eu enviei, e foi publicado há uma semana, que provocou engulhos ao presidente da junta para me denunciar como muito provável autor material do furto ou, pelo menos, autor moral? simplesmente mais ou menos isto: o busto descerrado há quinze dias no casal dos cágados motivou polémica e eu não poderia ignorar isso; e escrevi ...

... escrevi notícia da colocação em local quase deserto de uma escultura a homenagear quem tinha sido, há quase um século, ministro de três governos durante quase nove meses, sendo dono, na altura, de relativamente extensa mancha florestal, onde durante alguns anos engarrafou água nascida nos seus terrenos, provavelmente por nela existir alguma virtude que, no entanto, lamentavelmente se esgotou cedo.

Como a escultura, um busto, foi colocada em local distante da área residencial da vila, parece-nos, alertava eu, que a probabilidade de a obra vir a ser vandalizada e até derrubada, ser elevada.

Por estas razões, afigurava-se-nos recomendar à junta a vedação do espaço com rede de arame farpado suficientemente alta para desanimar possíveis tentações de vandalização da obra.

Foi só isto; o comentário saiu no jornal na quinta-feira, o roubo foi praticado na noite de domingo para segunda; às oito da manhã de hoje tinha a polícia a bater-me à porta, levaram-me para a esquadra para interrogatório. Saí de lá meia hora antes de chegar aqui, com intimação de me a apresentar amanhã no tribunal para ser ouvido por um juiz;  atribuem-me a autoria material ou pelo menos a autoria moral do furto por tornar pública uma ideia que, de outro modo, não ocorreria a mais ninguém. 
Só a mim, uma mente perversa.

 

Wednesday, September 08, 2021

O JOGO DA CABRA CEGA


PSP vai apresentar queixa contra juiz que tentou "provocar" os polícias

"O juiz Rui Fonseca e Castro “provocou” os elementos da PSP que estiveram ontem no Conselho Superior da Magistratura, gritando-lhes que deveriam colocar-se no lugar e que ele era a autoridade judiciária, estando “acima” dos mesmos...."

Como é que um personagem destes ainda é Juiz?

Quando é que o Conselho Superior de Magistratura vai expulsá-lo da corporação?

Ouço dizer, talvez daqui a um ano isso seja possível, depois de percorrido o caminho da justiça a passo de passatempo.

 

Monday, September 06, 2021

DESOBSERVATÓRIOS

Grandes bancos europeus desviam por ano 20 mil milhões de lucros para paraísos fiscai

O Observatório Fiscal da União Europeia (UE), um centro de investigação financiado pela Comissão Europeia para apoiar a luta da UE “contra os abusos fiscais”, estima que os grandes bancos europeus desviam todos os anos para paraísos fiscais 20 mil milhões de euros de lucros, 14% dos seus ganhos.

A análise, divulgada pelo observatório nesta segunda-feira, abrangeu 36 grandes grupos bancários europeus e cobriu o período de 2014 a 2020, com base nos relatórios financeiros que as instituições, à boleia das novas regras de transparência fiscal, têm de entregar às autoridades fiscais europeias sobre a sua actividade “país a país” dentro e fora do mercado interno europeu.

Mesmo com a “divulgação obrigatória” destas informações, refere o observatório, a percentagem de lucros registada nos centros financeiros de baixa ou nula tributação “tem-se mantido estável desde 2014”.

No leque de bancos analisados pelas práticas de planeamento fiscal estão desde os britânicos HSBC, Barclays, Lloyds (à data sediados no mercado único), aos franceses BNP Paribas e Crédit Agricole, do holandês ING ao espanhol Santander, passando pelos alemães Commerzbank e Deutsche Bank, o dinamarquês Danske Bank ou o italiano Monte dei Paschi.

Embora não haja bancos de raiz portuguesa neste leque, porque o critério é a dimensão, há grupos que estão presentes em Portugal.