Friday, March 27, 2015

CADA VEZ PERCEBO MENOS

Há nove dias atrás anotei aqui que não percebia a intenção dos discursos dos responsáveis da União Europeia, e nomeadamente do presidente do Eurogrupo, que publicamente confirmavam o que o Spiegel tinha divulgado: os alemães (leia-se o grupo liderado por Schäuble) estavam a preparar medidas que bloqueassem as fugas de capitais da Grécia, encerrando os bancos gregos por uns dias, aplicando a receita adoptada em Chipre.  Cf. aqui: "Cyprus Scenario possible for Greece, says Dijsselbloem".

Estranhei que medidas destas fossem divulgadas e confirmadas, uma vez que, segundo a lógica comum, elas iriam provocar novas ondas de fuga antes que fossem adoptadas. Meu dito, meu feito, lia-se menos de uma semana depois no Financial Times, aqui, que o governo grego estava a mobilizar os fundos do sistema de saúde e do metropolitano de Atenas para poder pagar as responsabilidades mais imediatas. Cf. aqui: "Athens raids public health coffers in hunt for cash". E isto porque a fuga de capitais observada nos últimos dias está a deixar os bancos gregos à beira do colapso. 

Hoje, pode ler-se no mesmo FT um artigo, vd. aqui, do correspondente do jornal em Bruxelas, que os dados conhecidos evidenciam uma corrida aos bancos perante a perspectiva de um segundo resgate. Normal, não? O que não se percebe, e não se percebe desde o início do processo de ataque à crise espoletada em 2008, é o conjunto de medidas que suscitaram a fuga de capitais dos países mais fragililizados do sul para refúgios a norte, e principalmente para a Alemanha, aumentando insuportavelmente a carga dos juros aos primeiros (fragilizados) e permitindo aos segundos (confortáveis) financiarem-se a taxa negativas. E muito menos se entende que, num momento em que decorrem conversações entre gregos e alemães, i.e., entre Tsipras e Merkel (os outros assistem), o discurso da eurogrupo empurre os gregos para o suicídio do seu sistema financeiro.

A menos que o objectivo seja mesmo esse: Correr com eles da zona euro, e depois se verá...
O desastre.
---
Correl. - Greece to pay pensions ... for this month
ou
os apertos do tesouro e a indisciplina fiscal grega.

2 comments:

Antonio Cristovao said...

Como com o Socrates e Vale e Azevedo aqui pasmo como se demora tanto a perceber a irresponsabilidade destes governantes, aguardando sempre uma miragem salvadora.

Rui Fonseca said...


Há muita gente que comia da manjedoura de Ricardo Salgado, caro António Cristovão.

Imagino que, se o entalarem de modo a obrigarem-no a dizer o que sabe, para além do que já se sabe, vai haver escandaleira em cascata.

E, em certo sentido, passa-se o mesmo com JS: Pode acreditar-se que se ele fez o que se suspeita que fez o fez sozinho com o amigo Carlos Silva?