Monday, September 23, 2013

OUTRA VEZ, O SENHOR CASINHAS

De repente, o senhor Casinhas tornou-se omnipresente. Em Julho enviou-me prospecto a prometer delícias para a freguesia, quem tivesse dúvidas ou precisasse de esclarecimentos o senhor Casinhas indicava o seu e-mail e telefone móvel. Mandei-lhe um e-mail pedindo-lhe que me indicasse onde poderia encontrar o relatório e contas da autarquia a que se candidata. Até hoje não obtive resposta. Desde então, o senhor Casinhas instalou-se em outdoors em vários cantos da freguesia, é impossível não dar por ele.
 
A semana passada, comentei aqui, o senhor Casinhas voltou a aparecer-me, dessa vez na caixa de correio. Hoje, fiquei com a caixa a abarrotar. Com o senhor Casinhas, destacado em fotografia maior, vinham os candidatos à presidência da câmara e da assembleia municipal, da freguesia e da assembleia da freguesia, tudo em papel revestido e impressão requintada, em dimensão XL. Um luxo.
Em papel menos gramado, mas igualmente XL, entrou também o candidato do governo, com muitas promessas e não menos fotografias de candidatos a apoiantes. Eusébio, ficou por dizer atrás, apoia a lista anterior, esta conta com o apoio do primeiro-ministro, residente em Massamá. Em papel desta vez  não revestido, em jornal de campanha, voltou a entrar ainda  o candidato do principal partido da oposição com várias promessas e muito mais fotografias de candidatos, 100 ao todo nesta remessa, incluindo a mandatária da candidatura.

Tanta gente, para mim completamente desconhecida, salvo os cabeças de cartaz, que, assim de repente, me manda a fotografia, é intrigante. Admito que a publicação destas centenas de caras seja motivo de admiração, orgulho ou vaidade entre parentes, colegas, amigos e conhecidos de cada um. Mas são para a generalidade dos eleitores uma vacuidade que só tem um lugar possível: o cesto dos papéis.

E, no entanto, tudo isto faz parte de uma feira de promessas que custará aos bolsos dos contribuintes, fora o que sai por outros canais, qualquer coisa como 40 milhões de euros. Quem paga os custos da propaganda do senhor Casinhas, não sei. Mas não vou perguntar-lhe. Afinal, ele nem uma informação oficial me ajuda a encontrar, apesar de, antecipadamente, ter prometido esclarecer-me.

Nem ele nem nenhum dos outros candidatos concorrentes. A vida das juntas de freguesia não pode revelar-se em números sob pena de ser provada a sua quase total redundância.

1 comment:

Antonio Cristovao said...

O Post escrito apesar de aparentar ligeireza encerra um tema que quando? tivermos eleitores mais responsaveis vai ter que se trazer para ser abordado : como gerir a cousa publica?
com promessas vãs de pessoas mal preparadas ou gestores com provas dadas e fiscalizados pelos nossos eleitos. Estudar as diferentes formas de governar que se pratica por essa europa fora vai ajudar a formar um a opinião mais solida.
Não acredito que dos milhares de candidatos 1/3 saiba gerir seja o que for; vai andar muitos meses a aprender a custa de asneiras pagas pornós.alias o conceito que se faz da gestão publica é tão defeituosa que a obrigatoriedade de prestar contas transparentes é frequentemente negada a quem quer escrever e autarcas com experiencia e provas dadas são impedidos de exercer como perferindo de mais de inexperientes e aprendizes. Ainda por cima esses já têm a vivenda com piscina e estes ainda vão lutar por a ter.