Tuesday, July 31, 2007

PRÓ CRIAÇÃO E PRÓ EDUCAÇÃO

De vez em quando, lamenta-se a reduzida natalidade na maior parte das sociedades europeias. Portugal não foge à regra e situa-se entre os menos progenitores. Os incentivos do governo não passam de paliativos que não alterarão a tendência. Quem é que mudará de ideias por um reduzido subsídio monetário pontual? Provavelmente, sobretudo os mais necessitados para quem mais filho menos filho não altera a indigência, e o subsídio, mesmo que seja curto, é uma tentação que não lhes pede responsabilidades.

Enquanto as despesas de infantário e depois as de ensino pré-primário excederem as despesas do ensino universitário, e todos se conformarem com isso, haverá cada vez menos candidatos a esta última fase.

Monday, July 30, 2007

EM DEFESA DO SISTEMA

Em entrevista publicada hoje no Público, Jardim Gonçalves repete o que tem dito nos últimos dias e acrescenta (ou intui) um ponto: vê a posição do BPI (de votar contra as propostas dos (por ora) amigos de Teixeira Pinto como uma natural atitude de preservar o sistema. Por outras palavras: Hoje por mim, amanhã quem sabe por quem, o sistema deve rejeitar os arrivistas.
.
Se não podes derrotar o teu inimigo, junta-te aos inimigos dele. Ulrich continua ganhador. Virá ele a ser o futuro CEO da coligação à vista?
.
Não há almoços grátis. Desta vez é Jardim quem pagará a conta.

CONTOS AMERICANOS - 2007, 2º. Semestre

The U.S. Growth Weakness Will Persist in the Second Half of 2007...And Financial Markets Are Signaling a Credit Crunch Ahead

Nouriel Roubini Jul 26, 2007 http://www.rgemonitor.com/blog/roubini

The first estimate of US Q2 GDP growth will be out tomorrow Friday. After a dismal "growth recession" in Q1 (0.7%) Q2 growth is expected by the consensus to recover towards 3% (plus or minus a 0.3%) as net exports, inventories and capex spending may have partially recovered in Q2 in spite of a sharp slowdown of private consumption and a continued severe housing recession. Even if Q2 growth were to turn out to be around 3% the average for Q1 and Q2 would be a mediocre and weak 1.8%, well below potential growth.

But since we are already in Q3 the main issue is now what will growth be in the second half of 2007. I see many elements of economic weakness ahead.

First, the housing recession is getting worse, rather than better. Thus, housing will continue to be a significantly negative contributor to growth. I predicted a year ago this will be the worst US housing recession in the last five decades and that real home prices will sharply fall for three years: all indicators on housing - including the latest new and exisiting home sales - suggest that the housing recession is extremely severe as sharply worsening. Also, home prices are falling and expected to fall throughout 2008. For the first time since the Great Depression of the 1930s home prices will fall this year at the national level on a year over year basis. And the glut of unsold new and existing homes will worsen well into 2008 as: demand from potential subprime borrowers sharply falls given the credit crunch in mortgages; rising foreclosures will increase the excess supply of homes in the market; $1.5 trillion of resetting ARMs will lead many homeowners under stress to sell their homes; condo-flippers and others who bought homes for speculative reasons will dump them in a falling market to minimize their capital losses.

Second, as discussed in much more detail in a previous blog of mine, private consumption (representing 70% of GDP) is likely to grow very slowly in H2 continuing its Q2 slowdown. Weakness in private consumption will be driven by a consumer that is saving-less and debt burdened and who is experiencing rising oil and gasoline prices, falling home values (as home prices are falling), falling home equity withdrawal, a credit crunch in the mortgage market, rising consumer interest rates, falling consumer confidence and a weaker labor market than what the official numbers suggest. Indeed, recent data on weekly chain store retail sales in July suggest that the softness of retail sales in June is persisting in July with sales falling in the latest reporting week. Thus, I expect that real private consumption will grow less than 2% in H2.

Third, real investment (in software and equipment) by the private sector will remain weak. The alleged recovery of capex spending in Q2 - after a dismal Q4 2006 and Q1 2007 - is fizzling out: today's figure on capital goods order - falling in June for a second month in a row - suggest that even in Q2 the alleged recovery in corporate capital investment was more modest than the consensus expected. And with housing, the auto sector and several other housing-related sectors already in a recession, it is highly unlikely that capex spending will be strong in H2. Why should firm invest a lot if final consumption demand is slowing down?

Fourth, accumulation of inventories will provide a boost to growth in Q2 but they are likely to be a drag on growth in H2. Inventories can go up for two reasons, one positive and one negative. On the positive side, if firms are optimistic about future sales/demand they may accelerate output/production above demand to build inventories for future sales. But if demand is unexpectedly slowing below production, the built up of unsold inventories is bad news as it signals lower demand ahead and the need to cut production ahead. Thus, if I am correct that private consumption, housing and capex spending will be weak in H2, the current accumulation of inventories signals a build up of unsold goods that will trigger output adjustment and a reduction of inventories in H2.

Fifth, net exports are not likely to be - unlike Q2 - a positive contributor to growth in H2. With oil prices rising and expected to remain high for the rest of 2007, the improvement in the real trabe balance due to a weaker dollar may be swamped by high oil and other commodity prices increasing the import bill.

Sixth, government consumption of goods and services is rising only modestly; thus its positive contribution to growth will be modest in H2.

Add to these weaknesses in aggregate demand the significant worsening in US financial conditions: a credit crunch in subprime that is now spreading to near prime and prime mortgages; massive losses - at least $100b in subprime alone - in mortgage markets; a significant recent increase in corporate yield spreads; the beginning of a liquidity crunch in capital markets that starts to look like the one experienced during the LTCM crisis (swap spreads are at 70bps, at their highest levels since 2002 and close to the levels that triggered the 1998 LTCM crisis); the shut down of the CDO market as investors risk aversion towards complex derivative instruments - whose official ratings are clearly bogus given the subprime ratings debacle - is sharply up; dozens of LBO deals now in serious trouble as the credit crunch is spreading to the leveraged loans and LBO market; and the overall increasing stresses in a variety of credit markets ("a constipated owl" where "absolutely nothing is moving" is how Bill Gross of Pimco described the effective recent shutdown of the CDO market); credit default swap spreads are sharply up; the ABX, TABX, LDCX, CMBX, CDX, iTraxx indices all show rising risk aversion of investors, sharply rising credit default spreads and significant concerns about credit risk in a variety of credit markets (US and Europe corporate, high yield corporate, commercial real estate, leveraged loans), not just in subprime or in mortgage markets.
Thus, the real economy and the main components of aggregate demand are likely to slow down or fall in H2. And the financial conditions are suggesting - even given unchanged Fed policy - a significant tightening in financial conditions as we are starting to see the beginning of a generalized credit crunch in a variety of financial markets, not just in subprime mortgages. Thus, the weak average economic growth of the first half of 2007 is likely to persist - or more likely weaken further - in the second half of the year. The most likely scenario is one of a "growth recession" for the rest of 2007.

Friday Morning Update: The first estimate of Q2 GDP growth - at 3.4% - confirmed what I said yesterday. Private consumption growth actually slowed down even more than any analyst and myself expected: at 1.3% growth the US consumer is at a tipping point bombarded by high oil prices, falling housing values, sharply lower mortgage equity withdrawal, and the beginning of a credit crunch. Consumption is entering H2 with even stronger headwinds than in Q2; thus consumption growth in H2 could weaken further. In Q2 capex investment in software and equipment was mediocre and anemic (2.3%) and it will get worse in H2 given the tightening in financial conditions. And in Q2 inventory accumulation was even lower than expected.

What saved Q2 growth was government spending (up a whopping 4.2% SAAR), a sharply improved trade balance (that boosted Q2 growth by a sharp 1.2%) and non-residential construction (up 22% SAAR). Those factors that boosted growth in Q2 are not sustainable ahead: with high oil prices the real trade deficit will not improve much more in H2; non-residential construction will have a slowdown following the residential bust as demand for shopping centers and offices follows with lags falling housing demand; and government spending usually grows less than real GDP on a trend basis. So factors that supported Q2 growth may prove temporary.

Conversely, the factors that were weak in Q2 (private consumption, capex investment and residential investment that represent about 85% of aggregate demand) entered H2 with an even weaker momentum than in Q2 at the time when financial conditions are seriously tightening in credit markets with the beginning of a credit crunch. In particular, the slowdown of private consumption to 1.3% in Q2 is a very ominous sign for the economy ahead as preliminary July data suggest further weakness in retail sales. No wonder that Fed futures are now starting to price a Fed Funds cut some time in the fall. So I expect growth in H2 to be worse than the already weak average of 2.0% in H1; we are facing a "growth recession" ahead, if not worse.

ACERCA DAS RAZÕES DO CLIENTE

Já não é a primeira vez que a hipótese de encerramento da Estação Zootécnica de Santarém é levantada pelo ministro da agricultura. E, como sempre acontece nestes casos, as pessoas, directamente ou indirectamente envolvidas, indignam-se e protestam. O que é normal. Não seria normal que 170 pessoas, entre investigadores e pessoal de apoio, vissem ameaçados de encerramento os serviços onde maior parte trabalhou durante toda a vida sem tugir nem mugir.
.
Mas já não é normal, mas acontece frequentemente, os partidos na oposição alinharem ao lado das reivindicações e dos protestos com intenções de garantirem dividendos políticos. Em princípio, quando se enuncia, em abstracto, a necessidade de reduzir o número de institutos públicos ou de reformular as suas atribuições, quase todos concordam. Quando se passa para a concretização levantam-se clamores dos mais variados quadrantes.
.
Invocam-se, invariavelmente, nestes casos, os muitos anos da instituição, o número de empregos em causa, as consequências do eventual encerramento para a economia local. Tudo causas e circunstâncias respeitáveis.
.
E, no entanto, muitas destas instituições só dão sinal visível de vida quando a sua continuação é posta em causa. Porque é indesmentível que o ministério da agricultura transborda de funcionários para as funções que lhe estão cometidas e não tem realizado ao longo de muitas dácadas de existência um desempenho na sociedade e na economia portuguesas de que possa legitimamente orgulhar-se. Bem pelo contrário, as suas atribuições mais visíveis têm consistido na obtenção de fundos comunitários e a sua afectação a meia dúzia de felizes contemplados.
.
A agricultura portuguesa, com algumas raras excepções, tem vindo progressivamente a estiolar.
Não sendo o nosso país especialmente vocacionado para a agricultura, as políticas (ou a falta delas) no sector têm conduzido ao abandono de muitos solos que poderiam ser competitivos se explorados em dimensões económicas adequadas.
.
Deste confronto de guerrilha em que se entretêm os partidos em Portugal resulta um adiamento sistemático das medidas que há muito era urgente tomar. Não admira por isso que a popularidade dos ministros em Portugal se encontre na razão inversa da sua capacidade de iniciativa e de reforma. O que faz deles, tanto na oposição como internamente, os alvos a abater.
.
Porque é difusa a conta que cada um de nós paga para sustentar a ineficácia dominante. Nada de significativo mudará enquanto não se aperceberem que são em muito maior número os prejudicados (os contribuintes) dos que eventualmente abrangidos pelas reformas. Que todos acham necessárias, desde que nada mude, bem entendido.
.
Enquanto o cliente não for colocado no centro das decisões o mercado será sempre distorcido e a produtividade constrangida.

Sunday, July 29, 2007

ACERCA DAS TENTAÇÕES URBANAS

A Arte da Fuga transcreve artigo publicado no Jornal de Negócios, de Manuel Caldeira Cabral - Quem manda nos seus direitos de propriedade?
.
Trata-se de um tema muito pertinente pelo alcance dos jogos de interesses que pode atingir. Não me parece, contudo, que a proposta do autor do artigo resolva o problema.
.
Comentei :
.
Parece-me um tema interessantíssimo, e que deveria ter merecido já a maior atenção dos políticos honestos (que admito que também os haja) e dos académicos (para a análise técnica do problema em todas as suas vertentes).
.
Enquanto não for resolvido capazmente, dificilmente se expurga a tentação para o suborno e a corrupção. Mas parece-me (ou não entendi bem) que a proposta não resolve o problema de fundo.
.
Enquanto o burocrata ou o político mantiverem o poder de enviesar, interessadamente, as regras do mercado eles não vão deixar de o fazer. Do meu ponto de vista, uma vez aprovado um PDM, todas as alterações que viessem a observar-se posteriormente, durante um prazo suficientemente longo (10 anos) deveriam ser consideradas razões suficientes para invocar a reversão dos contratos estabelecidos no quadro das regras anteriores.

HOMO SAPIENS


Foto by Amir Sengupta (Mohul)

Saturday, July 28, 2007

PALPITES, NOTÍCIAS & LIÇÕES



No Expresso de hoje, pode ler-se na primeira página que "Em qualquer caso, o sentido de voto do BPI levará o banco a alinhar na assembleia geral de 6 de Agosto com Jardim Gonçalves e contra Teixeira Pinto. O BPI votará contra: alteração dos estatutos, eleição para os órgãos sociais, destituição de administradores e alargamento do conselho geral. Votará a favor da manutenção do número de membros do conselho de administração e do CGS; e abstém-se na eleição de novos membros para o CAE" .
.
No caderno de economia do mesmo semanário, Nicolau Santos escreve que "o BPI (...) ameaça tornar-se o pior dos seus (BCP) pesadelos (...) ao preparar-se para ter uma voz activa na assembleia geral de 6 de Agosto, votando inevitavelmente contra as propostas apresentadas pelo fundador do BCP."
.
Ao mesmo tempo, no mesmo local, Miguel Cadilhe, a propósito da 4ª. edição do documento da CMVM sobre governação das empresas escreve que, a menos que os estatutos digam o contrário, quem elege o conselho de administração é o conselho geral. Não diz nada de novo se não quiser dizer que Jardim Gonçalves tem razão nesta guerra opus dei. O que não deixa de ser surpreendente se se olhar para trás e virmos MC a sair do BCP com João Talone. Para António de Almeida " a convivência gestão/supervisão requer uma cultura democrática radicada nos cromossomas".
.
Cada um diz o que sabe, quem não sabe inventa. A 6 de Agosto, logo se vê. Ou talvez não.

Friday, July 27, 2007

QUEDA, ATÉ ONDE?

Suddenly, Going Down On Wall Street

Dow Dives More Than 300 Points; S& P and Nasdaq Also Plunge

By Tomoeh Murakami Tse and Frank AhrensWashington Post Staff WritersFriday, July 27, 2007; Page D03

The U.S. stock market yesterday suffered its second worst day of 2007, with the Dow Jones industrial average plunging more than 300 points as anxiety over housing and increasing evidence of weakness in the lending market spilled over into stocks.
Investors fled from almost every type of stock, hunkering down with U.S. Treasurys and other safer investments.


It was the biggest drop in stocks since easy access to credit, the economy's engine in recent years, began showing signs of drying up several months ago. The problems started when investors in securities backed by risky mortgages were hurt by the housing downturn earlier this year, making them worried about other debt-related products such as those that finance corporate takeovers.

Fueling the sell-off in stocks yesterday were poor earnings reports by three major home builders, an announcement from the nation's second-largest mortgage lender that it was shuttering a previously lucrative division and a dismal report on new-home sales, all evidence that the housing slump may last longer and be more painful than the market had expected.
"Markets are imploding," Sal Morreale of
Cantor Fitzgerald said from his trading desk in Los Angeles. "A lot of people have been calling for this for a long time. You're finally starting to see reality."

The Dow fell 311.50 points, or 2.3 percent, to close at 13,473.57. It was the biggest one-day drop since Feb. 27, when the blue-chip average of 30 stocks lost 416 points. At one point yesterday afternoon, the Dow had dropped nearly 450 points.

The Standard & Poor's 500-stock index, a broader market measure, fell 35.43 points, or 2.3 percent, to 1482.66. The tech-heavy Nasdaq lost 48.83, or 1.8 percent, to 2599.34.

The losses took place less than a week after the Dow rode a wave of strong corporate earnings, surging past the 14,000 mark for the first time. Yesterday's sell-off occurred despite positive earnings reports from key companies such as Ford.

The slide was sharp enough to automatically trigger trading curbs at the New York Stock Exchange that are designed to limit wild swings in trading. Stocks that fell outnumbered those that gained by 13 to 1.

The decline also sent Asian markets lower. Tokyo's Nikkei 225 was down 2.4 percent this morning.

Financial-services firms were particularly hard hit in the United States yesterday, reflecting investor concern over the changing conditions in the lending market. Shares of Goldman Sachs and Bear Stearns dropped nearly 4 percent.

Treasury Secretary Henry M. Paulson Jr. yesterday downplayed concerns about a broader market meltdown. "Risk is being repriced and that's leading to some volatility," Paulson said, adding that "we're fortunate we have a very strong global economy and a healthy economy in the U.S."
more:

CORTAR SIM, MAS AONDE - 2

Caríssimo Pinho Cardão!
Todos nós sabemos onde cortar.
.
O problema está no cortador. Aprendi isso quando tinha 7 anos.
.
OS RATOS REUNIDOS EM CONSELHO
.
Algures, entre muito gatos
Um havia
Que era, segundo a fama que corria,
O mais temido caçador de ratos.
.
Focinho de arreganho,
De grande rabo
E de eriçado pelo
Para o murganho
Vê-lo,
Era o diabo!...
.
Nenhum rato caia na tolice
De sair, sem cautela, do buraco,
Por mais fraco
Que o estômago sentisse.
.
Não, porque ele era o espectro, era a tortura
Que rala, que aniquila, que consome!
Ele era a fome
E a sepultura!
.
O caçador, porém, não era monge;
E numa noite linda de luar
Soube-se no lugar
Que andava longe...
.
Então,
(Vejam aqui os homens neste espelho
Como eles, fúteis, tantas vezes são)
Os ratos reuniram em conselho.
.
Diziam: - Isto assim não pode ser;
Antes a morte
Do que esta sorte:
Passar dias e dias sem comer!
.
E logo alvitrou um, com alvoroço:- Sabem o que é preciso?
É pôr-lhe um guiso
Ao pescoço...
Com o guiso ele próprio nos previne...
Muito embora no chão se agache e roje,
Ao menor movimento o guiso tine,
E a gente foge... -
.
Bravo! - gritaram todos - muito bem!
É assim mesmo!
Assim!
Mas quem ha-de ir atar o laço?
Quem?
.
Eu não, que não sou tolo! - afirmou um
Nem eu - disse outro.
E enfim,
Não foi nenhum.
.
Há destes casos neste mundo a rôdos;
Se é preciso coragem numa acção,
Todos concordam, ninguém diz que não,
Mas chegado o momento, faltam todos!
.
de "O LIVRO DA CAPA VERDE"

EMPRESÁRIOS À FORÇA

Faz-nos falta Moliére para uma rábula acerca da forma como se tornaram empresários, em Portugal, muitos daqueles que os académicos, os comentadores, os sindicalistas, e muitos outros que não são empresários, acusam de não ter formação adequada e são, portanto, segundo eles, os grandes causadores dos atrasos do país.
.
Ontem o Jumento atribuia à falta de conhecimentos de História dos empresários que lhes permitissem retirar lições de bem gerir os recursos humanos das empresas uma das causas do nosso insucesso relativo.
.
Comentei:
.
O seu "post" de hoje recorda-me um programa com a Maria João Seixas, o Vicente Jorge Silva e a Gabriela Canavilhas, há uns meses, na Antena 2, e que comentei no meu blog. Às tantas discorriam todos acerca da (falta) de qualidade dos nossos empresários e a MJS disse que faltavam filósofos nos nossos Conselhos de Administração. Talvez seja verdade.
.
V. acha que deveriam os empresários saber História. O que talvez também seja verdade.
.
O que me admira é que nem filósofos nem historiadores se disponham a ser empresários na nossa terra.E V. por que espera?
.
A um velho e cansado hortelão apareceu um dia um homem novo a dar lições de bem cultivar alfaces. O velho ouviu-o atentamente, e no fim respondeu, cansado: Amigo, eu já não preciso que me digam como devo cultivar alfaces; preciso que as cultivem.
.
Hoje, no Quarta República ,Margarida Corrêa de Aguiar escreve também sobre a falta de qualidade de gestão em Portugal, sobretudo nas PME.
.
Comentei:
.
Cara Margarida Corrêa de Aguiar,
.
Se me permite, gostaria que visse esta questão de uma outra perspectiva. Porque, sem querer contestar grande parte do que afirma, penso que é importante perceber porque é que essas coisas acontecem.Porque se referiu primordialmente às PME, é sobre a qualidade da gestão delas que vou comentar.
.
A maior parte dos pequenos e médios empresários deste país são empresários à força. Explico-me melhor:Neste país, se os pais tinham meios para assegurar uma carreira académica aos filhos, eles licenciavam-se e tornavam-se profissionais liberais ou funcionários públicos.Se ficavam pelo ensino secundário tornavam-se empregados por conta de outrém (bancários, por exemplo) e funcionários públicos.
.
Se não tinham tido oportunidade para estudar tornavam-se pedreiros e, alguns, tornaram-se empresários na construção civil.
.
Outros foram trabalhar para fábricas metalo-mecânicas e, alguns tornaram-se empresários no ramo.
.
Se foram para empregados de balcão, alguns tornaram-se empresários no comércio.
.
Se foram para fábricas de confecções, alguns tornaram-se empresários no sector.
Etc.
.
Em conclusão : Em Portugal, o empreendorismo nasceu muitas vezes da falta de oportunidades e de meios.Não foi a ausência de formação que tornou este país um país de empreendedores sem formação. Foi a formação que tornou este país um país de empregados por conta de outrem e de burocratas. Aqueles foram obrigados a arriscar, estes preferiram o comodismo de um emprego seguro. A situação não é, ainda hoje, significativamente diferente: Melhor que trabalhar é arranjar emprego.
.
Suponho que V., sendo empresária, teve a oportunidade de obter a formação mais adequada, e é uma excepção à regra, ou não vive no mundo das PME.

Thursday, July 26, 2007

CORTAR SIM, MAS AONDE?

Os críticos da política fiscal deste Governo reclamam (e com razão) que a contenção do défice está ser conseguida sobretudo do lado da receita, apresentando a despesa ainda crescimento sistemático, embora de forma mais moderada. Aquilo a que os mais propensos ao rigor matemático simbolizam em derivadas.
.
Derivam, por outro lado, os partidários, mais propensos à guerrilha política, para a crítica destrutiva, sem propostas de alternativas.
.
Escreve no Quarta República o Amigo Pinho Cardão que:
.
1. a diminuição do défice não se deveu nada ao controle da despesa, mas ao aumento da receita. As receitas aumentaram 1,780 mil milhões de euros, a despesa corrente aumentou 870 milhões de euros, a diferença foi de 910 milhões de euros, precisamente igual ao valor da diminuição do défice, que foi de 923 milhões de euros.
.
2. Em impostos, os cidadãos foram esportulados em mais 1.360 milhões de euros, um aumento de 8,6%.
.
3. a despesa pública total não está a diminuir; pelo contrário, vem aumentando em termos nominais e reais. Aumentou 3,9% no 1º semestre deste ano. Um aumento real, já que a inflação foi menor.
.
4. a agravar a situação, a despesa pública corrente está a aumentar a um ritmo superior, já que o acréscimo foi de 4,5%.
.
5. o que significa que o governo, não tendo podido ou querido estancar a despesa corrente, diminuiu o investimento público.
.
Interpelei-o: Se fosses o PM deste país o que é que farias para reduzir a despesa corrente?
.
Respondeu-me: Se fosse...trata-se de uma impossibilidade absoluta!...Mas, se isso se verificasse, reduzia. Partindo do princípio que tinha que reduzir, porque esse era o bem maior, teria que achar onde reduzir. E reduzia.Reduzia e reduzia!...O problema é que os responsáveis procuram encontrar onde reduzir, para depois reduzirem. Claro que nunca hão-de encontrar. E assim nunca reduzem. Mal, claro!...
.
Claro?

Wednesday, July 25, 2007

QUEM ANDA A TRAMAR O CDS/PP?

Soube-se ontem que a Juventude Popular de Coimbra pede demissão da presidente da distrital do CDS/PP por esta "ter sido condenada a dois anos e meio de prisão, com pena suspensa por três anos, pelo crime de peculato quando desempenhava funções na Escola Secundária da Lousã". "Não podemos aceitar que toda a credibilidade do partido seja posta em causa por um acto isolado de um militante com responsabilidades políticas e sendo a figura que representa o partido no distrito.", refere o comunicado da JP. A decisão fundamenta-se no facto de o tribunal ter dado como provado que a presidente da distrital "se apropriou em proveito próprio de cerca de 15 mil euros relativos ao transporte de alunos" .
.
Hoje, é notícia que o ex-Tesoureiro do CDS/PP está entre os onze acusados de tráfico de influências e falsificação de documentos, no caso Portucale, onde também se incluem três administradores do Grupo Espírito Santo e funcionários da Direcção-Geral das Florestas.
.
Há dias, e na ressaca da derrota nas eleições para a Câmara de Lisboa, Paulo Portas indignava-se por 24 acusações (infundadas, segundo ele) que o partido estava a ser alvo. Entre elas, suspeitas de ligações espúrias, também ao GES, no caso da adjudicação de compra dos insondáveis submarinos.
.
Que força moral pode arvorar ainda Paulo Portas no meio de tanta borrasca indecente? Pode invocar, como outros invocam, que arguido não significa acusado, que acusado não é a mesma coisa que considerado culpado, que considerado culpado só o é, em definitivo, após trânsito em julgado.
.
Pois pode. Mas esse é o caminho do descrédito da política e da justiça que os cidadãos condenam em julgamentos populares de opinião. Um caminho tortuoso e demorado ao fim do qual, quem tem pernas longas, nunca é considerado culpado.
.
Descrédito que, no caso da presidente da distrital de Coimbra, foi traficado por meia dúzia de patacos.

Tuesday, July 24, 2007

O TORTO E O DIREITO

No Expresso do passado Sábado, 21, foram publicados dois artigos, na mesma página, sobre o novo Tratado Europeu: 1 -"Texto do novo Tratado é difícil de perceber" , 2 - "Constitucionalistas querem referendo".
.
No primeiro, pode ler-se, por exemplo, que Manuel Lobo Antunes, o Secretário de Estado para os Assuntos Europeus considera que o texto se tornou "mais complexo" (relativamente ao rejeitado Tratado Constitucional), porque resulta da revisão dos anteriores tratados. A Constituição era um texto único, este é mais um tratado, cujas emendas são feitas sobre os tratados anteriores.
.
É por demais evidente que a leitura de um tal documento, se é difícil para os iniciados nas matérias, é inextrincável para o cidadão comum. Parece, portanto, absurdo que alguém defenda a ideia bizarra de submeter a referendo um tratado, demais a mais resultante de muitas discussões técnicas e políticas, de negociações e cedências mútuas em que participaram, e vão continuar a participar até à assinatura do Tratado, se vier a ser assinado, representantes dos 27 países envolvidos.
.
E, no entanto, ilustres constitucionalistas defendem um exercício para o qual, de modo algum, os
cidadãos não estão minimamente habilitados a realizar. É o caso de Jorge Miranda que " avança três razões em defesa do referendo: as alterações introduzidas "foram mais cosméticas que outra coisa" (relativamente ao rejeitado Tratado Constitucional), houve um "compromisso eleitoral dos maiores partidos" e efectuou-se uma revisão constitucional em 2004 com uma disposição transitória "expressamente para permitir o referendo".
.
Quer dizer: o referendo não se justifica porque é um meio insubstituível de votação democrática mas porque fez parte do pacote de promessas eleitorais.
.
Sabemos todos que de promessas estão as campanhas eleitorais cheias e nunca ninguém foi preso por não as cumprir. E se é certo que um incumprimento não justifica outro, também é certo que a votação se fez para um conjunto de propostas e, eventualmente, uma ou outra seria maioritariamente rejeitada se tivesse sido votada em separado.
.
Muito, provavelmente, o bom senso colectivo rejeitaria a incumbência de votar em referendo uma matéria claramente muito complicada. E digo muito provavelmente porque, mesmo em assuntos onde as questões são bem mais fáceis de apreender pela generalidade dos cidadãos, os referendos têm tido votações baixíssimas.
.
Que o Bloco de Esquerda, o Partido Comunista, o CDS, e outros partidos com menor expressão eleitoral, anseiem por todas as oportunidades que lhes dêm visibilidade, percebe-se. Que ilustre professores de Direito façam coro com eles já é mais difícil de entender.
.
No fundo, e salvo, talvez, o BE e o PC, muitos daqueles que defendem o referendo ao Novo Tratado Europeu , supõem que, em referendo, o Sim está garantido. Admitamos, porém, que por alturas do referendo o Governo está desgastado e os cidadãos descontentes. E que na votação em referendo se repercutirá esse mesmo descontentamento interno, e é, maioritariamente, Não. Saímos da União Europeia?
.
A adopção do referendo ao Tratado Europeu é uma ameaça à continuação da União Europeia. A menos que, quem vote Não, saia.
.
Quem defende o referendo era por aí que deveria começar.

SIMPLEX

É indisfarçável que este Governo usa e abusa de fogo de artifício, e, de vez em quanto, rebentam-lhe nas mãos alguns foguetes.
.
Mas é também evidente que alguma coisa tem sido reformada, e até alguns adversários reconhecem e lamentam não terem, quando tiveram oportunidade de o fazer, de alterar o que deviam. Também é verdade que, como dizia há dias Campos e Cunha, se não estamos melhor é porque muitas intenções anunciadas não têm passado disso.
.
Hoje, é notícia a abertura de um tipo de lojas do cidadão especializado na formalização simplificada de compra e venda de casas para habitação. Toda a gente, que já algum dia se meteu nessas andanças, sabe o calvário que teve de percorrer, as burocracias e as más caras burocráticas que teve de enfrentar.
.
Referi-me a um desses casos em um "post", aqui no Aliás, há já alguns meses, (SEX IN BLACK), relatando o confronto com uma notária. Mas as idas e vindas às Conservatórias do Registo Predial (duas, porque tinham desdobrado a antiga e não sabiam para qual das novas tinham enviado os processos do local onde eu possuía uma casa) davam para contar outras histórias de terrorismo burocrático.
.
Estão a reagir a Ordem (as ordens são reaccionárias, por definição) dos Notários e o Sindicato dos Não Percebi Bem. Tudo normal para o vírus corporativo que está encapsulado no corpo social português e, como o herpes, dá sinal de si quando a temperatura aumenta.

Monday, July 23, 2007

EBULIÇÃO



Famously Volatile, Richly Rewarding
China Beckons -- if You Can Stomach the Swings


By Tomoeh Murakami Tse and Ariana Eunjung ChaWashington Post Staff WritersSunday, July 22, 2007; Page F01
NEW YORK
It's the money tree that keeps on giving.


Despite warnings about the lack of transparency, corruption scandals and companies with shaky financials, the Chinese stock market has leaped 300 percent in the past two years.

No other major market in the world has rewarded investors as generously. Consider: Brazil, Russia and India -- the other fast-growing countries that make up the so-called BRIC economies -- gained at most 170 percent over the same period. The Standard & Poor's 500-stock index rose 24 percent.
But like other emerging economies,
China's poses some serious risks for investors. Its stock market is notoriously volatile. A series of one-day plunges have left the benchmark Shanghai composite index about 7 percent below its highs in May.


Concerned about speculation, the Chinese government is trying to temper the red-hot market. It is also trying to slow the rapid pace of economic growth, which could further cool the market. At the same time,
Beijing is battling to limit fallout from tainted Chinese products sold in the United States.

A growing chorus of observers -- including U.S. analysts, Chinese officials and former
Federal Reserve chairman Alan Greenspan -- are voicing concern that China's stock market is a bubble ready to pop. All this, while Wall Street is stepping up its offerings of China-focused investment products and as Chinese companies are going public on U.S. markets at a record pace.
So is it time to ease away from Chinese shares? Or has the great rise only just begun?
"There's a point where you have to revalue markets and stocks that have done so well so rapidly," said Kirk Brown, who oversees investing in foreign markets at American Beacon Advisors. While Brown doesn't expect Chinese stocks to fall sharply, he said they could be headed into a period "where they kind of languish for a number of quarters until earnings catch up to their stock prices. . . . I would think people would want to be more cautious in putting more money to work in China at this point."


Nonetheless, he and other money managers see reason to have exposure to China in the long run. They say the country's 1.3 billion people represent a consumer base whose potential has barely been tapped. The Chinese economy, projected to grow in the double-digits for the fifth straight year, is threatening to overtake
Germany as the third-largest economy in the world.
"I think it ought to be clearer and clearer to people all the time that China's advance is real and that they probably would benefit to have some exposure to China," said Donald H. Straszheim, vice chairman at Roth Capital Partners and former chief economist at
Merrill Lynch.
Investors should be aware, however, that it can be difficult to get trustworthy information about companies in China. Disclosure rules aren't up to global standards. Although the economy is opening up, it is still run by a communist government struggling to foster a free market. Many companies are state-owned.


more:


SALAZAR ANDA AINDA POR AÍ - 3


É inacreditável, mas aconteceu.
.
Transcrevo, do Quarta República , um "post" de Pinho Cardão:
.


O figurão e os figurantes!...

Acabei de ver num telejornal das 20 horas e juro que não sonhei.
De forma solene e com pompa e circunstância, Sócrates e a Ministra da Educação deram início ao denominado creio que “plano tecnológico das escolas”.Numa sala, perante uma turma com alunos, aí dos seus dez anos, e vários circunstantes, Sócrates e a Ministra discursaram. Um aluno foi chamado e fez uns rabiscos no quadro electrónico, a exemplificar o seu potencial pedagógico.Toda a gente sorria e tudo terminaria em bem, se o jornalista não fosse demasiado abelhudo. É que se lembrou de perguntar a um aluno por que razão estava ali. Ingenuamente respondeu que a mãe tinha recebido uma chamada de uma empresa para o contratar e recebia 30 euros pela presença. Assim como os outros.Assim é que é bonito, profissionalismo acima de tudo. Não mais haverá vaias nem assobios. Preserva-se o figurão e ganham os figurantes!...

.

Nestas coisas, o grande perigo é o inacreditável passar a previsível.

Sunday, July 22, 2007

É ASSIM - 2

"As grandes campanhas dos comunistas nunca foram de confronto ideológico, nem em Portugal, nem noutro país. É raro um comunista discutir ideologia ou ideias: isso fazem os "verbalistas pequeno-burgueses". Os comunistas atacam pessoalmente."
Zita Seabra
.
"Foi Assim é o livro que faltava para compreender a grande tragédia do comunismo português"
Vasco Pulido Valente
.
"Os portugueses não se revêm nos partidos. E anda agora muita gente a explicar por quê. Mas, no fundo, basta uma razão: os portugueses não se revêm nos partidos, porque, tirando o PC, não há nenhuma diferença essencial entre eles..."
Vasco Pulido Valente, in Público de hoje.
.
Vivemos tempos de combate político pessoal, frequentemente atraiçoado por emboscadas em lutas de guerrilha. Mesmo quando, por acaso, as ideias ou as propostas vêm à baila, é na discussão dos fulanos que é travada a luta política. Independentemente do que é proposto é quem propõe que se discute. As falanges digladiam-se sem discutir razões, para além da mais elementar que é a da sobrevivência ou da conquista do poder. Confortavelmente, de fora do campo de batalha, arremete a generalidade dos comentadores, usando a mesma táctica, sem arriscar a pele. Alguns são partidários, outros atiram a todos. De entre estes, destaca-se Vasco Pulido Valente.
.
Segundo VPV não há ninguém aproveitável debaixo do Sol, salvo ele e a Constança, a menos que também já esteja debaixo da terra, e mesmo assim, serão poucos.
.
Na sua crónica crónica de hoje no Público, volta à explicação das nossas indigências e, nomeadamente, neste caso, sobretudo da nossa subordinação aos dictat da Europa e do BCE. Repete-se e estafa-se na cruzada de nos colocar perante o espelho que, inevitavelmente, segundo ele reflecte, sem apelo nem agravo, a nossa fatalidade de "país de passado duvidoso", sem presente nem futuro.
.
Saídas? Nenhumas, conclui pela enésima vez o augure.
.
O problema é insolúvel porque as variáveis não são compatíveis. O povo é mau, os dirigentes péssimos. Para agravar o molho mal amanhado de que fazemos parte, cingiram-nos com dois baraços revoltantes: a Europa e o BCE. Nada nos resta senão a luta corpo a corpo dentro do feixe atado. "Os partidos reflectem as possibilidades de um pequeno país, com um passado duvidoso, numa "Europa" federalizada e numa economia global. Escolher é privilégio dos ricos.", remata o cronista. E nós, claramente, porque não somos ricos, não temos poder de escolha, na abonada opinião de VPV.
.
Para a semana Vasco Pulido Valente retomará os ataques pessoais. O PC, não há dúvida, tem ensinado muita coisa a muita gente.

Saturday, July 21, 2007

A CADA UM A SUA VERDADE

ON THE BRIGHT SIDE
Why Bush Will Be A Winner
By William KristolSunday, July 15, 2007; Page B01


I suppose I'll merely expose myself to harmless ridicule if I make the following assertion: George W. Bush's presidency will probably be a successful one.
Let's step back from the unnecessary mistakes and the self-inflicted wounds that have characterized the Bush administration. Let's look at the broad forest rather than the often unlovely trees. What do we see? First, no second terrorist attack on U.S. soil -- not something we could have taken for granted. Second, a strong economy -- also something that wasn't inevitable.

And third, and most important, a war in Iraq that has been very difficult, but where -- despite some confusion engendered by an almost meaningless "benchmark" report last week -- we now seem to be on course to a successful outcome.
more:
.
REBUTTAL
Why Bush Is A Loser
By David CornTuesday, July 17, 2007; 7:45 PM

Who knew Bill Kristol had such a flair for satire?

How else to read his piece for Outlook on Sunday, in which he declared, "George W. Bush's presidency will probably be a successful one"? Surely Kristol, the No. 1 cheerleader for the Iraq war, was mocking himself (and his neoconservative pals) for having been so mistaken about so much. But just in case his article was meant to be a serious stab at commentary, let's review Kristol's record as a prognosticator.

On Sept. 18, 2002, he declared that a war in Iraq "could have terrifically good effects throughout the Middle East." A day later, he said Saddam Hussein was "past the finish line" in developing nuclear weapons. On Feb. 20, 2003, he said of Saddam: "He's got weapons of mass destruction.... Look, if we free the people of Iraq we will be respected in the Arab world." On March 1, 2003 -- 18 days before the invasion of Iraq -- Kristol dismissed the possibility of sectarian conflict afterward. He also said, "Very few wars in American history were prepared better or more thoroughly than this one by this president." He maintained that the war would cost $100 billion to $200 billion. (The running tab is now about half a trillion dollars.) On March 5, 2003, Kristol said, "We'll be vindicated when we discover the weapons of mass destruction."

After a performance like this -- and the above is only a partial review; for more details, click here -- Kristol, a likeable fellow, ought to have his pundit's license yanked. But he's back again with a sequel: W. will be seen as a wonderful president. His latest efforts should be laughed off op-ed pages. But in the commentariat, he's still taken seriously. So assuming the joke is indeed unintended, I'll examine Kristol's most recent fantasy as if it's real.
more:

ACERCA DO EGOÍSMO

Lendo o seu interessante artigo publicado no "Público" de ontem e no A destreza das dúvidas, hoje, somos (aqueles que prezam os valores democráticos) inevitavelmente assaltados por uma sensação de frustração inquietante: de que a demagogia (pois é disso que estamos a falar: acção que se utiliza do apoio popular para a conquista ambiciosa ou corrupta do poder) está, cada vez mais, a sobrepor-se à democracia.
.
Ainda que as conclusões do estudo que refere confirmem o sentimento muito generalizado, mas, pelos vistos, pouco apreendido nas suas consequências negativas, por parte das populações relativamente ao oportunismo com que são geridos os fundos públicos, são mais que pertinentes o estudo e a divulgação das suas conclusões. Tão pertinentes, que merecem que volte, logo que possa, ao tema. A bem da democracia.
.
Há, contudo, dois pontos que me suscitam algumas questões:
.
Adam Smith preconizou que, actuando os indivíduos segundo a prossecução dos seus interesses próprios (propensão egoísta) dessa actuação resulta, inevitavelmente, o benefício dos outros indivíduos, globalmente considerados.
.
Ora, no caso da gestão municipal, parece estarmos perante uma anulação dos efeitos da mão invisível: os autarcas, ao intervirem segundo os seus próprios interesses (de sustentação no poder) delapidam, sem contrapartidas, frequentemente, os interesses das comunidades que governam.
.
Tal derrogação da Lei de Smith não parece senão resultar do facto de não se estabelecer na relação autárquica uma acção negocial. Os autarcas intervêm no corpo social anestesiado porque aos munícipes não são cobrados directamente pelos autarcas os impostos com que realizam os seus malabarismos demagógicos. Esta questão tem sido já levantada mas, como a poeira, volta ao mesmo sítio.
.
.
Por outro lado, tenho alguma dificuldade em perceber o salto dedutivo que, no seu artigo, faz dos autarcas para os governos centrais.
.
Porque, se o que explica o ciclo do oportunismo, é a propensão egoísta dos indivíduos, não sujeita aos freios dos negócios, teríamos que, para aceitar a tese da segunda parte, contraditar a tese da primeira.
.
Explico-me melhor: Se a esquerda é menos egoísta que a direita, forçosamente essa diferença deveria também ser ressaltada nas conclusões do estudo de Linda e Veiga. É? V. não refere.
.
Se não é, não deverá atribuir-se a outras razões?

Friday, July 20, 2007

NAPOLEÃO E JOSEFINA

Luís Campos e Cunha escreve hoje no Público: "Globalmente, a situação da economia está, sem margem para dúvida, a melhorar, e disso deu nota o Banco de Portugal. E só não estamos melhor porque uma parte das reformas está no tinteiro. O corte dos impostos que todos (mas mesmo todos) estão à espera (mas não significa que apoiem) em 2009 serão uma anfetamina numa economia em franco crescimento. Tudo o que não devia ser feito. Quem teima em não querer conhecer a história, está condenado a repeti-la, infelizmente."
.
Temos, portanto, mais um reputado economista a desaconselhar o corte de impostos. Contra Miguel Frasquilho e outros reputados economistas.
.
As variações de posições sobre um tema entre economistas é uma constante. A mim, ocorre-me sempre, nestas circunstâncias, fechá-los em conclave para discussão até à exaustão e consenso. Talvez, deste modo, se apurasse a ciência económica. Como naquela dos dois que se julgavam Napoleão.
.
Num ponto, pelo menos, estou do lado dos que consideram que há vida para além do déficit mas não é lá grande coisa (Manuel Ferreira Leite) e que a glosada e gozada afirmação de Sampaio é destituída de conteúdo (Luís Campos e Cunha). Daí não se poderem cortar impostos sem se cortar noutra coisa qualquer. E é nesta inevitabilidade de cortar outra coisa qualquer que a porca torce o rabo e alguns preferem ignorar ou vão deixando no tinteiro.

E ESTA, HEM?



Iron to Plankton To Carbon Credits
Firm's Emission Plans Have Critics Aplenty


By Steven MufsonWashington Post Staff WriterFriday, July 20, 2007; Page D01

A small California company is planning to mix up to 80 tons of iron particles into the Pacific Ocean 350 miles west of the Galapagos islands to see whether it can make a splash in the markets where people seek to offset their greenhouse gas emissions.

Planktos -- with 24 employees, a Web site and virtually no revenue -- has raised money to send a 115-foot boat called the Weatherbird II on a voyage to stimulate the growth of plankton that could boost the ocean's ability to absorb carbon dioxide from the air. The company plans to estimate the amount of carbon dioxide captured and sell it on the nascent carbon-trading markets.

In a bid for attention for another of its projects, Planktos said earlier this month it would offset the Vatican's carbon emissions by donating credits from trees being planted in a Hungarian national forest. The company said it would make the Holy See "the world's first carbon-neutral sovereign state." It released a video that panned across St. Peter's Square to music from Johann Sebastian Bach's "St. Matthew Passion" and then cut to Cardinal Paul Poupard, who thanked Planktos chief executive Russ George.

Quem diria que no Vaticano havia falta de ecologia?

Thursday, July 19, 2007

OS PORTUGUESES - Segundo os algarismos (4)

Segundo Relatório da OCDE , recentemente publicado, o número de médicos em Portugal por cada mil habitantes, em 2005, era de 3,4, valor superior à média da OCDE (3), e suplantava países como o Luxemburgo (2,5), a Finlândia (2,4), o Reino Unido (2,4), Os Estados Unidos (2,4), o Canadá (2,2), o Japão (2).
.
Para além da mera curiosidade de se encontrar o Japão no topo deste grupo quanto a esperança de vida, estabelecendo-se uma correlação inversa ( e não uma causalidade, obviamente) entre um indicador e outro, há uma constatação inquestionável: também não é da falta de médicos que os portugueses têm de se queixar.
.
A julgar pelos números da OCDE também não têm razão de queixa os médicos pagos pelo orçamento geral do Estado.
.
Quanto aos profissionais por conta própria, de Portugal, não recebeu a OCDE algarismos.
.
Por outro lado, Portugal dedica a despesas com a saúde uma parte do PIB bastante superior ao da média da OCDE.
.
Afinal, de que se queixam os portugueses?

QUANDO OS LOBOS JULGAM


1 EURO = 1,382 DÓLARES


O euro está hoje a ultrapassar a barreira de 1,38 dólares. Ao mesmo tempo continuam a subir as cotações do crude. Não fosse a valorização do euro e os preços dos combustíveis teriam disparado. Mesmo assim há muita gente a queixar-se e alguns, menos avisados, a concluir que, se não estivessemos no euro, os preços não subiriam tanto.
.
Por incrível que pareça, a generalidade das pessoas compara os preços actuais com os preços em escudos de 2001 e conclui que os preços estão a subir como nunca. Outras, que se esquecem que a inflação corresponde a uma desvalorização da moeda, insistem em acreditar que os preços nunca subiram tanto como depois da entrada do euro, quanto é certo que o euro atingiu um máximo preocupante contra o dólar, colocando dificuldades às exportações. Nas importações, que é aquilo que mais fazemos, temos beneficiado, e de que maneira, enquanto consumidores, com aquela valorização. E se é certo que os mercados não são perfeitos, e muitos importadores embolsam os efeitos da valorização, não repercutindo a redução dos preços de importação nos preços de venda dos produtos importados, a médio prazo esse efeito não pode deixar de se fazer sentir. Aliás, as estatísticas oficiais confirmam isso mesmo.
.
Já quanto às exportações as consequências são, naturalmente inversas. E aí sim, a questão começa a ser muito preocupante. Por agora, o euro está a beneficiar do desequilíbrio da balança comercial dos EUA, nomeadamente com a China, mas a zona-euro corre sérios riscos de ver, mais tarde ou mais cedo, algumas das suas economias sufocadas. A menos que aprendam e sigam o caminho da Alemanha.
.
A stronger Euro and concerns about excessive real appreciation and competitiveness loss in the Eurozone

Nouriel Roubini Jul 15, 2007 - http://www.rgemonitor.com/blog/roubini/205657/

Wolfgang Munchau correctly argues today in his FT column that a stronger Euro will soon start to be painful ("end up in tears") for Germany as the country significantly relies on net exports for its growth.

His argument is valid - at some point a stronger Euro will hurt German exports - but it is even more valid for other Eurozone countries such as Italy, Spain, Portugal, Greece - and even France - than it is for Germany.

While Germany will also eventually suffer from a stronger Euro it has the benefit of having experienced in the last few years a real depreciation as unit labor cost have been kept in check via low nominal wage growth and good productivity growth.

Instead, countries like Italy, Portugal, Greece, Spain face a triple whammy (
see my recent paper with Menegatti and Parisi-Capone omn EMU divergences for details): first they experienced a negative demand shock as the rise of China and Asia undercut their competitiveness and trade market shares in labor intensive low value added manufacturing (textiles, apparel, shoes, etc.).

Second, their relative unit labor costs have been rising and their labor cost-based real exchange rate has significantly appreciated as their nominal wage growth has exceeded productivity growth.

Third, they are now facing a stronger euro that makes this competitiveness loss even more severe by the day.

At least Germany does not have to face the first two problems as structural reforms and wage moderation have increased its competitiveness. So Munchau is right about the pains of a stronger euro; but his argument holds much more strongly for the Club Med members of the EMU than for Germany.

Thus, one cannot rule out that some of the members of this Club Med may soon join Sarkozy in a call for managing the value of the euro (i.e. call for a weaker euro). Still, as Munchau correctly argues, economic fundamentals point towards further weakness of the US dollar relative to the euro. By the time the euro reaches 1.40 the EU politicians' verbal intervention to weaken the euro is likely to become louder...(See also RGE's coverage of "
Is the Euro Approaching the Danger Zone?")

Wednesday, July 18, 2007

CARMONA

Pinho Cardão, no Quarta República , diz da sua indignação contra um artigo de Rui Tavares, que escreveu no Público de 16/7, além do mais, que,
.
"Carmona…envergonhou Lisboa e a sua Câmara Municipal; mergulhou-a em suspeições, favoritismos e velhacarias; destruiu o PSD na capital; está ainda amarrado a processos judiciais…Ninguém duvida de que Carmona e os seus vereadores colocariam ao serviço do PS os mesmos talentos que usaram com o PSD, envenenando a próxima vereação com a sua incompetência, os seus processos pendentes…".
.
É intrigante a defesa que parte do PSD faz de Carmona, desvalorizando o efeito da participação deste nas eleições para a Câmara nos resultados desatrosos conseguidos pelo candidato do PSD, porque o homem a abater - Marques Mendes - já está abatido.
.
De modo que comentei :
.
Meu Caro Pinho Cardão,
.
Antes de mais felicito-te pelas palmas que já recebeste hoje. Eu nem pensava contraditar-te e muito menos propor-me como advogado de defesa do Tavares, que não me encomendou o encargo.
.
Contudo, e não rebatendo os teus argumentos para cascar no colunista, queria dizer-te que não me parece que o Carmona tenha grande defesa. É um homem que se pretende independente mas aproveitou-se do amigo dele, o Pedro que lhe deu poleiro, e agora do Mendes, e fez um manguito a cada um deles.
.
Pode ser muito sério, mas a mim não me parece. Pelo erro da escolha já está a pagar o PSD, e o Mendes já tem a pagamento a factura das favas.
.
Quanto ao julgamento popular, deixa-me que te diga, meu amigo, que a Justiça em Portugal não está a dar garantias mínimas inerentes a um estado de direito.
.
Mesmo que, do embrulho Bragaparques, resulte a absolvição de todo o molho de bróculos, o povão concluirá sempre, mal ou bem, mas a culpa não é dele, que nesta terra só vão presos os que têm as pernas curtas.
.
Aliás, até grandes juristas já têm dito o mesmo. O povão nestas coisas limita-se a dizer o que ouve.

MEMÓRIA DO ESQUECIMENTO

Era um Don Giovanni sem Leporello, de modo que ele próprio se encarregava da promoção da sua imagem de galador. Pegava nas conversas e levava-as, qualquer que fosse o assunto conversado, sempre para os mesmos destinos: política, futebol e mulheres. E era verdade que nem todas as histórias de alcova que contava eram inventadas, nem o número de conquistas femininas muita balela. Se auto apregoava a fama também embolsava muito proveito. Gostava do palco e das palmas. Alimentava-se da fantasia que engendrava, e esquecia, assim, penso eu, desgostos acumulados.
.
- Vê ali aquela bola? Faço de conta que é a cabeça do M.A., e zás!, acerto sempre - dizia isto, e fazia um swing.
.
Tinha vários inimigos de estimação. Comprometido políticamente mas pouco envolvido nas lutas partidárias, chegou a fazer parte de um governo de Mário Soares. Adversário ou opositor que lhe caísse em desgraça não escapava a tacadas intermináveis.
.
- Zé G., ganhámos ou perdemos este fim-de-semana?
- Perdemos, outra vez, dr.
- Tudo normal, portanto.
- Desgraçadamente é assim, dr.
.
O Zé G., era uma espécie de paquete no escritório, já com idade para ser outra coisa se não lhe faltassem habilitações. Lia os jornais desportivos, sabia tudo o que acontecia em Alvalade.
.
- Despache-se homem! Não posso perder mais tempo. Tenho uma miúda à minha espera há mais de uma hora. Se já se despiu, ainda fica constipada! - dizia ele, uma vez, a um atordoado sindicalista que não passava dos considerandos.
.
Era um dos muitos clichés que utilizava mas criava também muitos momentos de hilariante originalidade. Repetia-se muito, sobretudo, quando falava das suas façanhas sexuais. Mas tinha tal modo de o dizer que prendia a assistência mesmo em reprises sucessivas.
.
A última vez que o vi, já estava reformado há alguns anos, entrou no restaurante, trazendo a filha, deficiente mental, pela mão. Passados uns minutos, já a conversa desembocava na política, e, em três tempos, na sua mais recente conquista feminina.
.
No funeral, apareceram meia dúzia de amigos, não vi nenhuma alma feminina destroçada à volta. Perguntei ao filho de que tinha morrido o pai. Desistiu de viver , respondeu-me. Eu acho que morreu de esquecimento.

Tuesday, July 17, 2007

SALAZAR ANDA AINDA POR AÍ - 2

Se os PSD acusaram os PS de nos andarem a gastar o dinheiro dos impostos com excusões para dar vivas ao Costa, os PS espantam-se com a ocorrência e recusam-se a admitir que ela tenha sido encomendada pelo eleito ou algém que ande por perto dele. E têm razão. Já no tempo de Salazar, só os néscios ou os empedernidos acreditariam que era o Botas quem convocava os espontâneos.
.
Daí o meu comentário.
.
Caro J
.
Abstive-me de contraditar as suas apreciações à campanha para as eleições em Lisboa, porque já não resido lá. (A propósito: Haverá alguma razão para eu poder votar onde resido normalmente mas não poder fazê-lo também na minha aldeia, onde nasci, onde vou frequentemente, e onde pago impostos?)
.
Mas voltemos ao tema deste seu "blog".Claro que António Costa não telefonou para Cabeceiras de Basto. O que acontece é que as Juntas de Freguesia, que não se justificam por razões de interesse público, e o próprio António Costa pensou fazer-lhes uma poda mas depois desistiu, encontram razão de ser nos interesses partidários. E não só as Juntas de Freguesia. Pelas Câmaras passam também muitos interesses partidários de arrebanhamento de votos.
.
Ora as Juntas de Freguesia são, sobretudo, organizações excursionistas. Se V. olhar para as contas da maior parte delas, o orçamento paga sobretudo os ordenados dos membros da junta (porquê?, pergunto eu) e excursões. Já denunciei várias vezes no meu blog esta prática de compra de votos. Mas que é que me lê?
.
De modo que o que se passou é muito natural e só me espanta a sua espantação. Já era assim no tempo do antigo senhor. Ou você já não é do tempo das manifestações espontâneas?

SALAZAR ANDA AINDA POR AÍ

Comenta-se, com razão e indignação, que o PS convocou umas centenas de almas simples das terras geralmente ignoradas, e pagou-lhes o transporte para virem de excursão bater palmas a António Costa, eleito presidente para a Câmara de Lisboa.
.
No Quarta República, o meu amigo Pinho Cardão junta-se ao coro de protestos. Mas é parte interessada. De modo que, sem lhe contrariar a apreciação, contraditei-lhe a situação:
.
"Cá estou, mais uma vez, a dar corda ao contraditório.
.
Não é que não esteja, desta vez, de acordo contigo; o que quero acrescentar é que, por má sina nossa, nem só o PS promove manifestações espontâneas.Isto é síndrome que, ao que parece, apanhou toda a gente.
.
Vezes sem conta, tenho-me indignado com a forma como são gastos os dinheiros dos impostos que pagamos (dos que pagam, claro), nomeadamente na compra de votos traduzida em passeatas por esse país fora. Mas já algum partido levantou a questão? Nenhum.
.
Temos Juntas de Freguesia que não fazem sentido, a não ser como promotoras excursionistas. Temos vereações que se conluiem com os directores das Câmaras para se governarem à custa do orçamento.Algum partido denuncia isto? Nenhum.
.
E muito mais, muito mais, corre por muitos lodosos canais.
.
No tempo do outro senhor, promovia a União Nacional manifestações espontâneas. Mantêm-se.
.
Salazar, se reparares bem, anda ainda por aí."