Saturday, March 31, 2007

Washington DC : A Festa das Cerejeiras em Flor


IDEIA ANTIGA

Sempre me interroguei acerca do absurdo que é perder tanto tempo tanta gente nas suas deslocações diárias de casa para o emprego e do emprego para casa. E dos combustíveis que consome, e da poluição que provoca, e dos custos de instalação que exige.
.
A quem se desloca no IC 19, por exemplo, só por insensibilidade total não lhe ocorre o absurdo em que está envolvido. E não protesta, não se indigna, e, porventura até se sente feliz por se incorporar na procissão. O único protesto que se ouve é que a estrada não tenha mais largura para a procissão se alargar e andar mais célere.
.
Já tanta gente chamou a atenção para o desperdício de energia que é admirável que ninguém tenha, até hoje, proposto medidas para reduzir os consumos de combustíveis reduzindo deslocações que se tornaram inúteis no tempo da Internet. Por diversas vezes (mas quem é que nos ouve!!!!?) já aqui referimos as poupanças que o Estado poderia realizar convidando muitos dos seus funcionários a trabalhar em casa. Sempre que se aborda a questão da redução das despesas públicas enfrenta-se a insconstitucionalidade da redução dos funcionários públicos. Parece que a ninguém ocorre esta ideia simples: se não é possível reduzir o número de funcionários, reduzam-se os custos do Estado sem reduzir os rendimentos líquidos dos funcionários públicos, reduzindo-se despesas evitáveis.
.
Os norte-americanos, gente mais rica, estão pelos vistos a pensar nisso.
.
Senators Push for More Telecommuting

By Stephen BarrFriday, March 30, 2007; Page D04

Two senators think it's time for more federal employees to be telecommuting.


Ted Stevens (R-Alaska) and Mary Landrieu (D-La.) have introduced a bill that would make nearly all government employees eligible to telecommute. The bill covers employees in the executive, legislative and judicial branches.

Sens. Mary Landrieu (D-La.) and Ted Stevens (R-Alaska) introduced a bill to make more federal employees eligible to telecommute. (Alex Brandon - AP)
Bush to Seek 3 Percent Raise For Civil Service and MilitaryPresident Bush will propose a 3 percent pay raise for federal employees and military personnel in his fiscal 2008 budget, scheduled for release on Feb. 5, according to a senior administration official.
Under current practice, employees are assumed to be ineligible for telecommuting unless their agencies select them for work-at-home programs, the senators said in a statement.
Stevens and Landrieu said the bill would reduce fuel consumption, ease traffic congestion and help government workers better balance career and family obligations. "We must continue to promote measures that will secure our nation's energy independence," Stevens said. "This bill represents just one small piece of that puzzle."

The bill is the latest in congressional efforts over the past several years to encourage more telecommuting by government workers. Rep. Frank R. Wolf (R-Va.), for one, has since 2000 used his seat on the House Appropriations Committee to promote telecommuting.
The most recent federal personnel data showed that 41 percent of civil service employees had been deemed eligible to telecommute, but that only 19 percent were working from home or from a nearby telework center at least one day a week.

Federal managers, for the most part, have been wary of telecommuting, in part because of concerns over employee productivity. In a recent survey of federal managers sponsored by the Telework Exchange, nearly half of the 214 respondents said their agencies did not support telecommuting.

The Senate bill would require agencies to create a "telework managing officer" to be a liaison between employees and managers and would require training for new employees and managers.
The bill would exempt employees assigned to national security and intelligence functions and certain others, such as those whose duties require a "daily physical presence" in the office.

Pushing Pay-for-Performance

Debate over how to overhaul the civil service is not fading in the new Congress.
Yesterday, Sen. George V. Voinovich (R-Ohio) introduced a bill to prohibit annual pay raises for federal employees with unacceptable job ratings. Currently, sub-par workers in the government qualify for the January pay raise authorized by Congress and the White House.
"Employees should receive annually a rigorous evaluation," Voinovich said in a statement. "Pay should be determined by an individual's performance."
Voinovich, the ranking member on the Senate's federal workforce subcommittee, introduced a similar bill last year, but Congress has appeared reluctant to take up a major change until it sees how the Defense and Homeland Security departments fare with their new performance-management systems.
On Wednesday, the House Homeland Security Committee voted to roll back a pay-for-performance system under development at the Department of Homeland Security. The action was faulted yesterday by Linda M. Springer, director of the Office of Personnel Management, who said "we oppose any efforts to revoke these authorities."

The National Treasury Employees Union, which has lobbied Congress to block the new system, welcomed the committee action. Colleen M. Kelley, the union president, said the system would "make even worse the serious morale problems that are widespread in DHS."
In addition to the pay bill, Voinovich introduced two other measures yesterday.
One would realign the pay system for senior-level and scientific and professional personnel, providing them an opportunity for higher salaries. Congress approved a similar performance-based system, with a higher salary scale, for federal executives in 2003.
The other bill would amend the tax code to allow student loan repayments to be offered on a tax-free basis to military and civil service employees. Voinovich said the bill would help agencies recruited top-notch talent.

Washington DC : A Festa das Cerejeiras em Flor


O MILAGRE DAS CEREJEIRAS

Votan tinha Brunilde ao seu serviço, Próspero tinha Ariel; todos os deuses inventados recorrem a santos, semi-deuses, a sacerdotes. Um Deus omnipotente e omnipresente acende de um momento para o outro a exuberância das cerejeiras sem recurso a intermediários. Com visão normal, ninguém paga comissões para O sentir em tanta beleza à nossa volta.

Friday, March 30, 2007

Washington DC : A Festa das Cerejeiras em Flor


HELLO, PAY-GO

Como o número de votantes é maior que o de contribuintes; como a maioria dos contribuintes sofre de anestesia fiscal; como muitos eleitores têm memória curta,
.
os políticos prometem frequentemente baixar os impostos, e depois ou não os baixam ou até os aumentam; por vezes baixam-nos à custa do aumento do déficit; mais raramente, prometem e cumprem. Na oposição, reclamam sempre a redução; Logo que se sentam nas cadeiras do Governo fazem o que as circunstâncias obrigam, e geralmente aumentam-nos, invocando desconhecimento da situção herdada do governo anterior.
.
Nos EUA, o Congresso liderado pelos democratas pretende que as propostas de reduções de impostos tenham sempre como contrapartida a partida na redução de despesas: abreviadamente, "pay-go".
.
Este deveria ser sempre um pressuposto que os políticos portugueses deveriam ser obrigados a respeitar sempre reclamam a redução de impostos. Não o fazendo, fazem chicana política para demagogicamente aliciarem os eleitores sem se confrontarem com os contribuintes nem com os eventuais atingidos com as reduções de despesas que o Pay-Go implica.
.
Hello, Pay-Go

Congress takes a first step toward restoring fiscal discipline.

Friday, March 30, 2007; Page A16

THE HOUSE and Senate have now passed budget plans for next year. First the good news: The resolutions enshrine "pay-go," which is a procedural impediment to additional deficit spending.
Pay-go means that more spending on things such as entitlement programs or tax cuts will have to be offset by either tax increases or spending cuts elsewhere. It's an eminently responsible idea that should force Congress to make some tough but needed choices as it allocates cash over the coming months.

The Democratic leadership should get credit for resisting heavy pressure to exempt some programs and policy priorities from the rule. Even a single exemption would likely have unraveled pay-go, as powerful lobbies, each with nice-sounding projects, asked for their own exemptions.

The bad news lies in the lingering differences between the two budget plans. The Senate's version contains language committing a projected -- and probably illusory -- surplus to the goal of extending for the middle class a range of tax cuts that are due to expire in 2010. Any bill written to extend these cuts according to the Senate's blueprint would still be subject to pay-go. So if the projected budget surpluses don't materialize, Congress will have to take money from elsewhere, raise other taxes or adopt a waiver from pay-go to extend the tax cuts. In early 2007, it is unnecessary and unwise to make policy commitments regarding tax cuts in 2010, especially when they are predicated on a projected budget surplus.

The House budget plan that narrowly passed yesterday does not contain the same language on tax cuts. But, like the Senate's version, it can be faulted for doing little to rein in entitlement spending and for basing projections of a surplus in 2012 on a number of accounting gimmicks. But the blueprint sticks closely to pay-go. It contains a number of "reserve funds" to pay for its policy priorities, such as expanding children's health insurance, that Congress must fund with money from elsewhere in the budget or from new taxes. Hard decisions on where to get the cash to pay for them will come later.

Now the two houses have to reconcile their plans. In conference, House representatives should push to strike the Senate language on tax-cut extensions.

Washington DC : Corcoran


BOMBA RACIAL

Os noticiários desta manhã davam conta que um cartaz xenófobo colocado no Marquês de Pombal foi considerado pelo PGR como não ilícito e, portanto, não legalmente susceptível de ser mandado retirar.
.
É grave. Que uns quantos milhares de portugueses tenham demonstrado recentemente num concurso televiso sofrerem de equimoses mentais ou excederem os limites toleráveis do cretinismo (de outro modo apreciariam viver em liberdade), percebe-se. Percebe-se porque, por um lado, o número de licitantes e o modo de licitação, retiram ao resultado do concurso qualquer significado estatístico relevante; por outro lado, sabe-se que existe sempre em qualquer sociedade um certo número de indivíduos padecendo de limitações graves de alma ou de meninges. Estaríamos bem colocados se o número daqueles que habitam a terra que habitamos não excedesse os cerca de 1,2% que licitaram contra a liberdade no extravagante concurso para as sopas da Dona Elisa. Que lhe façam proveito. Por mim só lamento que algum do dinheiro dos impostos que pago tenha sido canalizado para subsidiar as sopas da senhora. Curiosamente, suponho que ninguém se referiu a este aspecto.
.
É no rescaldo desta tragicomédia que aparece plantado no Marquês um "out door" de um partido racista. Ouvido o PGR, disse que o cartaz não é ilícito e a matéria nele contida não é crime.
.
É muito grave.
.
O problema maior que pode colocar-se na construção da Europa é que ela embata num mostrengo racial que a estilhace. Esse mostrengo está sempre latente à espera do ambiente conveniente para lançar as mandíbulas.
.
Se ao passar pelo Marquês, os portugueses olharem sem verem, ou encolherem os ombros, estarão inconscientemente a contribuir para o desenvolvimento do monstro. Quando derem por ela, será tarde.

Thursday, March 29, 2007

Falls Church


AFINAL HÁ PETRÓLEO NO BEATO?

A Arte da Fuga em "post" que remete para dois outros de Gabriel Silva, "Taxing sunny days" no
Blasfémias, inspiram-se numa notícia do Jornal de Negócios, mas não comentam, só insinuam.

Deixei comentário no Blasfémias (e recoloquei um comentário meu de Novembro de 2006, no Arte da Fuga):

Que a nova central fotovoltaica de Serpa venha a ser a maior do mundo não me surpreende por aí além. Em geral, os projectos que ganham vantagens com economias de escala (e deve ser o caso) são sempre maiores os mais recentemente instalados.
.
Não tenho conhecimentos para avaliar se esta central de Serpa tem ou não tem justificação económica bastante. Mas esta notícia junta-se a outras que confundem facilmente o cidadão comum.Há dias, Pacheco Pereira em artigo longo desfiava no Público um rosário de lamentações acerca das mazelas que os investimentos em energia eólica e hídrica vão causar na paisagem. E avisava: aproveitem para revisitá-la porque vai acabar! Não falava de Serpa, se bem me lembro, porque Pacheco Pereira não se lembrou dos malefícios das fotovoltaicas, presumo.
.
Ora se as "alternativas" são caras e más porque insiste nelas a EDP, que acaba deanunciar um objectivo na matéria que é duplo do anterior, incluindo investimentos nos EUA?
.
Aliás, esta central de Serpa, não faz sequer parte dos investimentos da EDP e é da conta de outro investidor. Está tudo doido? A começar pelo Ministro da Economia?
.
Recentemente, foi notícia badalada a ameaça de aumento das tarifas eléctricas. O "ex-regulador chefe" afiançava que o aumento era inevitável e não podia deixar de ser brutal. Toda a gente conhecida reconhecia autoridade na matéria ao "ex". O "ex" competente foi substituido, e o novo competente não só não sobe as tarifas como diz que as baixa. Confesso-me completamente baralhado: Se, segundo o que "ex" competentemente afiançava, as actuais tarifas não cobrem os custos de produção e distribuição, quem é que tem pago a diferença. Alguém sabe? Se é algum benemérito anónimo talvez ele pague também os sobrecustos de produção em Serpa!
.
Para complicar a questão prometem-nos o mercado livre da electricidade ao mesmo tempo que nos ameaçam com aumentos de preços.
.
Os jornalistas em Portugal geralmente safam o dia com umas dicas e uns quantos palpites. Os comentadores em jornais e blogues pegam, geralmente, em tudo isto pelos pés. Percebe-se: está provado que as elites gostam das más notícias e o resto segue-lhe o rasto.Haverá por aí alguém que saiba da poda e faça o favor de nos trocar tudo isto por miúdos? É que lamentar a destruição da paisagem é comovedor. Também lamento.Dizer que esta central vai ser um elefante caro, também admito.
.
Mas não se me desfazem as dúvidas quanto às nossas opções energéticas desde o tempo em que o Solnado descobriu que afinal não há petróleo no Beato

Washington DC : Embaixada de Espanha


"DIE WALKURE"

Os deuses inventados pelo homem à sua imagem e semelhança reproduzem os limites dos criadores; só a Natureza na sua incomensurável grandeza transcende o homem, uma infinitamente pequena parte dela.

Castelos do Potomac


CONTOS AMERICANOS : FLEXIBILIDADE LABORAL

É total.
.
Mas é chocante, pelo menos para os olhos dos europeus em geral, a facilidade com que se desembaraçam as empresas norte-americanas dos trabalhadores que, por uma razão ou por outra, deixaram de ter menos interesse para a companhia onde podem ter estado a trabalhar durante vários anos. Ainda que as estatísticas proclamem baixos níveis de desemprego quando a flexibilidade laboral é elevada.
.
No caso da "Circuit City" 3400 empregados foram despedidos por estarem a ganhar mais do que aquilo que outros tantos se dispõem a fazer o mesmo e ganhar menos.
.
Entretanto o CEO aufere retribuições anuais que excedem mais de 100 vezes as retribuições médias da empresa.
.
"Allways CEOs protest that they are not deciding their own pay, merely receiving a market-determined number. This is fiction. In most public firms, a compensation board approves the take of top officers. Some firms do have true outside boards; in practice, many such panels are a rubber-stamp charade. CEOs sit interchangeably on CEOs commitees of other companies, and share a mutual interest in running up the bill. Christos Cotsakos, CEO of E*Trade, paid himself $59 million in 2001, even though the firm was unprofitable and its share value was plummeting; the supposedly independent committee that approved this expropriation was composed of three executives from companies that at the time did significant business with E*Trade or had overlapping ownership in the firm. Outraged by Cotsako´s pocket stuffing, shereholders forced him to resign. But he kept the $59 million he had for intents and purposes stolen, and on his way out the door handed himself an additional $4 million rationalized as severance bonus" - The Progress Paradox - Gregg Easterbrook


Circuit City Cuts 3,400 'Overpaid' Workers

By Ylan Q. MuiWashington Post Staff WriterThursday, March 29, 2007; Page D01

Circuit City fired 3,400 employees in stores across the country yesterday, saying they were making too much money and would be replaced by new hires willing to work for less.
The company said the dismissals had nothing to do with performance but were part of a larger effort to improve the bottom line. The firings represent about 9 percent of the company's in-store workforce of 40,000.

"Retail is very competitive and store operations just have to contain their costs," said Jim Babb, a Circuit City spokesman. "We deeply regret the negative impact that was had on these folks. It was no fault of theirs."

The company gave the dismissed workers severance pay and told them that after 10 weeks they were free to apply for any openings. Employees reached by a reporter said they were notified yesterday morning and told to leave immediately.

The firings, along with several other moves, are expected to reduce expenses for the electronics retailer by $110 million in fiscal year 2008 and $140 million a year starting in fiscal 2009. Circuit City said sales would be volatile for the next several months as the company adjusts to the changes.

"It's definitely going to have some cost-savings, but I think the bigger impact could be seen in weaker, poor service," said Timothy Allen, an analyst with Jefferies & Co. "I have a feeling the people they're letting go have probably been there longer, have more experience, more product knowledge."

Steven Rash, 24, said he was one of 11 workers fired at a Circuit City in Asheville, N.C. The store manager broke the news during a meeting at 8:15 a.m. and escorted them out of the store. Rash said he has worked for the retailer for seven years and was one of the most junior members of the affected group.

He said he earned $11.59 an hour and worked from 15 to 20 hours a week. He received four weeks of severance pay. Though he has a full-time job at Bank of America, he said he needs to find part-time work to help pay his student loans.
"It's not just a part-time job," he said. "It's about paying the bills."

According to the U.S. Bureau of Labor Statistics, the average hourly wage for retail salespeople was $11.14 in May 2005, the latest data available.

Circuit City chief executive Philip J. Schoonover received a salary of $716,346, along with a $704,700 bonus last year. He also has long-term compensation of $3 million in stock awards and $340,000 in underlying options, according to company filings.

Circuit City also said it would outsource its information technology infrastructure operations to IBM, affecting 130 workers at Circuit City headquarters in Richmond. About 50 people will be transferred to jobs at IBM, while the remainder will be let go after the transition is completed. Babb said he expected it would take several months.
more:

Wednesday, March 28, 2007

Em construção


MERCADOS TRANSPARENTES

O mercado da habitação é dos mais importantes na economia dos países, não só pelo quinhão que rendas ou amortizações de empréstimos e juros representam no orçamento das famílias mas também pelo impacto macro económico em termos de investimento e emprego.
.
Em Portugal esta dimensão é até excessiva na medida em que, em muitos casos, absorve do rendimento das famílias uma parte que está para além das suas possibilidades económicas, e, por outro lado, tem um peso na economia global que excede largamente a quota que numa economia sã deveria representar.
.
E, no entanto, é opaco. Sabe-se pouco do número das casas, novas ou usadas, á venda; da evolução da oferta e da procura; da evolução dos preços reais. O próprio fisco enreda-se numa prática de faz-de-conta que não ajuda, antes pelo contrário, à transparência do mercado.
.
Quem ganha com tanta falta de transparência? Não os compradores, apesar de representarem o maior número de intervenientes.
.
Mas nem as entidades de defesa dos consumidores nem a da defesa da concorrência parece darem por isso.
.
Não é assim nos EUA: mensalmente, em data certa, são emitidos relatórios da situação no mercado imobiliário. Os mercados só o são se forem transparentes.
.

Drop in Sales Of New Homes Clouds Revival

Chance of Turnaround Fades As Market's Inventory Grows

By Nancy TrejosWashington Post Staff WriterTuesday, March 27, 2007; Page D01

Sales of new homes plummeted in February for the second consecutive month, an unexpected drop that dashed hopes of an imminent recovery in the housing market.

The Commerce Department reported yesterday that sales of new single-family houses dropped 3.9 percent last month to a seasonally adjusted annual rate of 848,000. Although the monthly decline was significant, even more telling was that it represented an 18.3 percent plunge from the seasonally adjusted annual sales rate of 1.04 million in February 2006.

The median sales price was also down from the year before, to $250,000 last month, compared with $250,800. The median is the point where half the houses sell for more and half for less.
The latest figures initially spooked Wall Street, with stocks falling early in the day. By the end of the trading session, however, the Nasdaq composite index and Standard & Poor's 500-stock index were up slightly, and the
Dow Jones industrial average was down about 12 points.
Economists had expected an increase in new-home sales. A report by the National Association of Realtors last week said that sales of previously owned homes, which make up the biggest share of the housing market, rose last month at the steepest rate in three years. Analysts noted, however, that those numbers measured February's completed sales, which could have taken into account contracts signed in December and January. There were more buyers out during those two months because of the unseasonably warm weather in some parts of the country, the analysts said. The Commerce Department's figures, meanwhile, measured contracts signed in February, when the weather was more wintry across most of the country.

Either way, the weak performance in the new-homes sector was a clear sign that a glut of unsold homes and tepid demand are still affecting the housing market.

While some analysts have predicted that the market will rebound this year or by early to mid-2008, others have said they do not see that happening until the inventory drops drastically.
The opposite occurred in February, the Commerce Department said. The supply of new homes for sale increased by 1.5 percent, to 546,000. At the current sales pace, it would take 8.1 months to get through that supply, up from 7.3 months in January and 6.4 months a year ago.
Mark M. Zandi, chief economist at Moody's Economy.com, said that in a balanced market, that supply should be closer to 350,000. "The market just can't be normal until the inventory decreases," he said.

Compounding the problem is a crackdown on the mortgage industry that will most likely shut out some potential buyers. The housing boom that ended in 2005 was driven in part by the willingness of some lenders to give nontraditional mortgages to people with blemished credit or no money for down payments. An increasing number of those borrowers now face foreclosure, as their adjustable-rate mortgages reset to higher rates. The foreclosed properties would eventually be added to an already crowded market.

"I don't see us being anywhere close to a bottom," said Dean Baker, co-director of the Center for Economic and Policy Research in the District. "I think prices are going to have to fall a lot more, and then people will be in a position to buy homes."

By region, the Northeast had a 26.8 percent drop in home sales last month, the steepest decline in the country. The Midwest had a 20 percent drop. The South, which includes the Washington region, was down 7 percent. The West was the only part of the country to have an increase in sales, up 24.6 percent.

Georgetown e o Potomac : vista de Kennedy Center


OS ARTISTAS DA FUGA

Lamentavelmente, em Portugal, algumas universidades privadas não só têm dado provas da maior falta de probidade e honestidade na prosecução dos objectivos para que foram licenciadas como deram testemunho os seus próprios dirigentes de terem acobertado casos criminosos que levaram alguns deles aos tribunais e às cadeias.
.
Eu não sei onde professa um colunista que no Diário Económico tem espaço para desenrolar as suas opiniões de ilegalidade liberal, através de um contorcionismo que não só mete as mãos pelos pés como publicamente exorta à fuga ao fisco como um meio legítimo de acabar com a solidariedade social que, no entender dele, é um atraso civilizacional. Não sei onde dá lições este propagandista do crime mas, se não é na universidade Independente, deve ter estreitos contactos com Rui Verde & Cª.
.
Defende o "professor Moreira" os paraísos fiscais como forma de nos curarmos da tributação excessiva que se encaminha para a solidariedade social. Ele poderia, legitimamente, ter contestado o sistema que temos, os seus custos excessivos, o excesso do seu perímetro, a sua existência até. Mas não: Escolheu o aplauso da fuga.
.
Ironicamente, ou talvez não, cheguei até ao discurso deste professor (de quê?) através da A Arte da Fuga.
.
Comentei:
.
Não é a primeira vez, e seguramente não será a última, que se ouve ou se lê a defesa de práticas ilegais como contraponto a posições legais com as quais discordam.
.
Quem discorda da intervenção do Estado em áreas de solidariedade social, e preconiza que a fuga aos impostos, ao reduzir as possibilidades do Estado reduz-lhe as possibilidades daquela intervenção, aplaude a fuga fiscal ainda que ela seja ilegal a todos os títulos. Porventura em nome dos direitos das minorias. E, no mesmo sentido, vê nos "paraísos fiscais" um recomendável instrumento de fuga.
.
Acontece que os "paraísos fiscais", não só dão guarida a movimentos ilegais de capitais por razões fiscais, como são o meio preferido de todos os traficantes do mundo mais sinistro: droga,armas, prostituição, de órgãos humanos, etc.
.
E é assim que um articulista que se diz professor universitário (será da Independente?) dá a cambalhota total: para ele a solidariedade social é um fracasso da civilização, e os "paraísos fiscais", com todas as monstruosidades que as mentes mais perversas são capazes de prosseguir, são um sintoma de avanço civilizacional.
.
E o Arte da Fuga, pelos vistos, também acha.

Tuesday, March 27, 2007

Kennedy Center


A380 CHEGOU A WASHINGTON - DULLES

A380 Buzzes D.C., With Minor Bug

Local Stop Is Last on PR Tour for Troubled Super-Jumbo

By Del Quentin WilberWashington Post Staff WriterTuesday, March 27, 2007; Page D02
Airbus's super-jumbo A380 jetliner concluded its tour of the United States yesterday with a dramatic fly-by near downtown Washington -- earning oohs and aahs from a handpicked group of passengers that included U.S. government officials, journalists and analysts.

Most passengers agreed that the hulking plane was impressive: It is the largest civilian aircraft ever made, with two decks of seats, a bar, bathrooms with windows and snazzy, in-flight entertainment systems. Engineers worked to make the A380 extremely quiet in flight -- passengers could barely hear the howl of the plane's powerful engines on takeoff. Thanks to design features, it didn't bounce much in turbulence.

Even the cabin air seemed fresher than on other aircraft, passengers said.
"It's quite an airplane," said Mark V. Rosenker, chairman of the National Transportation Safety Board, a few minutes after the plane flew past the Washington Monument. "It's very impressive. It's nice to be part of the beginning of something in aviation history."

But Rosenker's assessment and the applause that greeted a smooth touchdown belie serious troubles with the jet and the European aircraft maker. Airbus has shed billions of dollars trying to fix production problems that have pushed back delivery of the A380 by two years. Two cargo companies have dropped orders for 20 of the jets.

Airbus, which has taken 156 orders for the plane, will have to sell about 400 to break even on its production costs, executives said yesterday.
The first A380 is scheduled to be delivered to
Singapore Airlines in October.

Airbus executives worked hard yesterday to put their best spin on the A380's arrival in the Washington area. The company's top salesman, John Leahy, greeted passengers and reporters as they entered the plane to take a tour and, later, an 80-minute flight around the Washington area.

He said Airbus was conducting the U.S. tour -- it showed off the A380 in New York, Los Angeles and Chicago before heading to Washington -- to prove that the plane was ready for service. He also wanted to reassure airports, which have invested millions to accommodate the jet, that the money was well spent.

"It's two years late, and people want to see what their money got them," Leahy said.
The flight and tours yesterday may have paid off -- in some ways.
Most passengers and reporters agreed that the plane was remarkable and massive. Many complained that they were not able to get the aircraft into a single frame for photographs.
But others questioned whether the A380 was practical and pointed to a minor snafu that highlighted its hulking size.

The jet has cameras mounted at various points outside on the body, allowing passengers to watch the scenery as the A380 hurtles through the air.
On takeoff, a camera atop the plane's tail was struck by a bug. The smashed insect slightly obscured the camera's image. Passengers soon discovered that there was no automated system to clean the lens and watched the entire flight with the image of the insect on their screens.
The lens, about 80 feet above the ground, will be cleaned by a worker with a rag sent aloft on a crane.
VIDEO Airbus North America Chairman Allan McArtor describes the new Airbus A380 during a media tour at Dulles Airport. (Video by Akira Hakuta / washingtonpost.com)View Panorama
.
more

Watergate - vista de Kennedy Center


INSISTIR NO MESMO

"Insanity is doing the same thing over and over again, expecting different results" -Albert Einestein

.
Caro Professor

.
Leio o seu artigo APROVEITEM OS ÚLTIMOS ANOS DE PAISAGEM NATURAL EM PORTUGAL e recordo-me do, também seu, “ Portugal a voo de pássaro”, publicado no Público há quase dois anos, e é inevitável a recordação de “Portugal à vol d´oiseau”, de há quase duzentos.

Leio e concluo que quem o lê não pode deixar de abanar a cabeça a concordar. Também a mim me preocupam os desastres urbanísticos que, frequentemente, dão da nossa terra a imagem de um acampamento feito à socapa. Também a mim me preocupa o abandono de aldeias e de centros urbanos que são (deviam ser) a nossa memória; o desleixo, o abuso, a falta de civismo que por qualquer lado é regra; a gestão municipal vezes de mais feita de compadrio com o futebol e a construção civil, sem cultura nem probidade. É tanto e tamanho o desastre que poderíamos estar aqui a noite inteira a lavar-nos em lágrimas por tanta fealdade, tanta porcaria, tanta maldade.

Ganhamos alguma coisa com isso? Parece que não. Há duzentos anos, chegou cá uma francesa e pintou-nos com as cores do inferno, e não se mexeu uma palha: pelos (seus) vistos continuamos feios, porcos e maus. Estamos a exagerar, claro: os ventos que sopram à volta da orbe alguma aragem vão insinuando aqui, e alguma palha se move. Mas não tanta quanta seria desejável para nos contentar a todos. Aliás, segundo alguns psicólogos que estudaram o assunto a fundo, as elites gostam de más notícias, não se exagere portanto na perfeição porque pode faltar motivo para matar o tédio. Uma análise menos fina, feita por olhar à volta, leva-nos à generalização da conclusão dos especialistas: em geral, as pessoas gostam de más notícias, atente-se nos milhares que foram ver a ponte desabada de Entre-os-Rios, os tempos prime que o acidente (ou negligente) aguentou, os jornais que vendeu, só para falar de um acidente entre tantos que animam os noticiários e as discussões do mesmo estilo na nossa terra. Sem futebol, broncas e desastres não nos aguentaríamos de pé. De modo que precisamos de larvar-nos mas não exageremos: sem alguma imundice o Vasco Pulido Valente perdia a freguesia.

A lamentação nacional tem razões bastantes mas, por mais que se abanem as cabeças, os muros não se derrubam com oscilações concordantes. Por mais prestigiado e reforçado que seja o pelotão de pregadores, e em Portugal temos muitos e bons, continuaremos a ouvir os mesmos lamentos. E se o progresso não se desenvencilhará nunca, aqui e em qualquer lado por onde sopre, dum irremediável paradoxo que o torna prisioneiro das nossas ambições sem termo, se não podemos deixar nunca de nos lamentarmos sejamos ao menos suficientemente capazes par mudarmos de razões.

É isso que, modestamente, me atrevo a sugerir-lhe: Que, mais do que lamentarmos, construamos hipóteses; Que discutamos ideias alternativas; Que construamos modelos com que possamos visualizar propostas; Que se pergunte por que não? em vez nos esgotarmos em negativas; Que se valorize a anatomia das consequências mas não se despreze a arqueologia das causas, e sobretudo não se esqueça a investigação da terapêutica.

Se somos o país mais dependente de fontes de energia exteriores na Europa, e um dos mais dependentes do Mundo, se o progresso implica um consumo crescente de energia (mas não um desperdício!), se não temos disponíveis outras fontes se não o vento e a água, como podemos ser mais auto suficientes compatibilizando a utilização dos nossos recursos com a salvação da nossa paisagem? Abdicamos do progresso?

Segundo o “Jornal de Negócios” de hoje, “A EDP acaba de anunciar um programa de investimentos nas energias eólicas que duplica os seus objectivos anteriores. A aquisição da Horizon Wind Energy vai implicar um forte aumento no investimento da Energias de Portugal na produção de energia eólica. Até 2010 a empresa liderada por António Mexia vai aplicar 6,2 mil milhões de euros nesta área de negócio, mais do dobro que o previsto anteriormente, o que vai implicar um crescimento na dívida.”

Temos a EDP entregue a um “gang” de conivências sem escrúpulos?

Quando há alguns meses a alternativa “nuclear” andou no ar, suspeitas de interesses inconfessáveis foram também trazidos para a praça pública, e a discussão passou ao estado de hibernação. Eu já tenho idade suficiente para não saber que sempre que uma oportunidade emerge, ocorrem os oportunistas. Os oportunistas, contudo, são como os impostos: não nos livramos deles, o melhor que podemos fazer é minimizá-los. A nossa tarefa, a tarefa daqueles que não têm interesses envolvidos para além dos que afectam a sua condição de cidadãos comuns, é promover a criação de condições para a redução de impostos e oportunismos.

Quanto à já muito debatida questão dos desaforos que caracterizam muita da gestão municipal, já passou tempo suficiente para reconhecer uma evidência: a de que o modelo de gestão municipal actual é propício às promiscuidades em que germinam os problemas que V. refere. Entregue o executivo das câmaras a vereadores, que em muitos casos não têm nenhuma experiência nem vocação de gestão, estão criadas as condições para a desresponsabilização dos directores e a conivência entre o executivo eleito (transitório) e o executivo nomeado (permanente). Com uma agravante: Sendo executivos, os vereadores deixam de ser aquilo que deviam ser: Promotores de políticas e auditores das suas realizações. É por estas razões que à luta eleitoral se segue, geralmente, a comunhão de interesses. Existem excepções, claro, para confirmar a regra.

Monday, March 26, 2007

School Bus - Passagem proibida


ACERCA DA FELICIDADE

Edward Diener, um psicólogo da Universidade de Ilinois, tem levado toda a sua carreira a estudar a felicidade dos indivíduos medida através dos depoimentos dos próprios. Trata-se de uma investigação suportada em dados subjectivos, com a vulnerabilidade que isso implica, e que se, parcialmente, confirma o senso comum, também o contraria em grande medida:
.
. A falta de dinheiro causa infelicidade, mas a disponibilidade dele não causa felicidade;
.
. Considerados em grupos, o grupo dos velhos é mais feliz que o dos novos. Para muita gente o sentimento de felicidade aumenta com a idade;
.
.O grupo dos milionários não é mais feliz que o grupo dos de rendimentos médios;
.
. Pessoas com deficiências físicas ou com doenças crónicas demonstram um sentimento de bem-estar ligeiramente superior relativamente à população em geral, talvez por fazerem uma apreciação mais elevada do valor das suas próprias vidas.
.
A norma psicológica para os EUA é positiva, mas muito ligeiramente. Num teste de Diner sobre o nível de satisfação com a vida, a média situou-se em "ligeiramente satisfeito".
.
in "The Progress Paradox" - Gregg Easterbrook

Sunday, March 25, 2007

A parição da Primavera


O ALCOÓL NÃO RESOLVE OS NOSSOS PROBLEMAS

Pois não.
.
Depois de ter chegado à conclusão que o domínio dos campos de petróleo do Golfo é mais problemático e oneroso do que ele pensava, Bush voltou-se para o alcóol. Nesta investida, contudo, Bush arrastou consigo muitos adversários políticos, de entre os quais Hillary Clinton.
.
Mas o alcoól é demasiado caro para resolver os problemas da América, e os nossos. A saída do Iraque, apesar da votação desta semana no Congresso, não vai ser possível tão cedo.
.
Corn Can't Solve Our Problem

By David Tilman and Jason HillSunday, March 25, 2007; Page B01

The world has come full circle. A century ago our first transportation biofuels -- the hay and oats fed to our horses -- were replaced by gasoline. Today, ethanol from corn and biodiesel from soybeans have begun edging out gasoline and diesel.

This has been hailed as an overwhelmingly positive development that will help us reduce the threat of climate change and ease our dependence on foreign oil. In political circles, ethanol is the flavor of the day, and presidential candidates have been cycling through Iowa extolling its benefits. Lost in the ethanol-induced euphoria, however, is the fact that three of our most fundamental needs -- food, energy, and a livable and sustainable environment -- are now in direct conflict. Moreover, our recent analyses of the full costs and benefits of various biofuels, performed at the University of Minnesota, present a markedly different and more nuanced picture than has been heard on the campaign trail.
Some biofuels, if properly produced, do have the potential to provide climate-friendly energy, but where and how can we grow them? Our most fertile lands are already dedicated to food production. As demand for both food and energy increases, competition for fertile lands could raise food prices enough to drive the poorer third of the globe into malnourishment. The destruction of rainforests and other ecosystems to make new farmland would threaten the continued existence of countless animal and plant species and would increase the amount of climate-changing carbon dioxide in the atmosphere.

Finding and implementing solutions to the food, fuel and environment conflict is one of the greatest challenges facing humanity. But solutions will be neither adopted nor sought until we understand the interlinked problems we face.

Fossil fuel use has pushed atmospheric carbon dioxide higher than at any time during the past half-million years. The global population has increased threefold in the past century and will increase by half again, to 9 billion people, by 2050. Global food and fossil energy consumption are on trajectories to double by 2050.

Biofuels, such as ethanol made from corn, have the potential to provide us with cleaner energy. But because of how corn ethanol currently is made, only about 20 percent of each gallon is "new" energy. That is because it takes a lot of "old" fossil energy to make it: diesel to run tractors, natural gas to make fertilizer and, of course, fuel to run the refineries that convert corn to ethanol.

If every one of the 70 million acres on which corn was grown in 2006 was used for ethanol, the amount produced would displace only 12 percent of the U.S. gasoline market. Moreover, the "new" (non-fossil) energy gained would be very small -- just 2.4 percent of the market. Car tune-ups and proper tire air pressure would save more energy.

There is another problem with relying on a food-based biofuel, such as corn ethanol, as the poor of Mexico can attest. In recent months, soaring corn prices, sparked by demand from ethanol plants, have doubled the price of tortillas, a staple food. Tens of thousands of Mexico City's poor recently protested this "ethanol tax" in the streets.

In the United States, the protests have also begun -- in Congress. Representatives of the dairy, poultry and livestock industries, which rely on corn as a principal animal feed, are seeking an end to subsidies for corn ethanol in the hope of stabilizing corn prices. (It takes about three pounds of corn to produce a pound of chicken, and seven or eight pounds to grow a pound of beef.) Profit margins are being squeezed, and meat prices are rising.

U.S. soybeans, which are used to make biodiesel, may be about to follow corn's trajectory, escalating the food vs. fuel conflict. The National Biodiesel Board recently reported that 77 biodiesel production plants are under construction and that eight established plants are expanding capacity.

In terms of environmental impact, all biofuels are not created equal. Ethanol is the same chemical product no matter what its source. But ethanol made from prairie grasses, from corn grown in Illinois and from sugar cane grown on newly cleared land in Brazil have radically different impacts on greenhouse gases.

Corn, like all plants, is a natural part of the global carbon cycle. The growing crop absorbs carbon dioxide from the atmosphere, so burning corn ethanol does not directly create any additional carbon. But that is only part of the story. All of the fossil fuels used to grow corn and change it into ethanol release new carbon dioxide and other greenhouse gases. The net effect is that ethanol from corn grown in the Corn Belt does increase atmospheric greenhouse gases, and this increase is only about 15 percent less than the increase caused by an equivalent amount of gasoline. Soybean biodiesel does better, causing a greenhouse gas increase that is about 40 percent less than that from petroleum diesel.
more:

Harpers Ferry : Museu ao ar livre


Harpers Ferry é hoje uma relíquia histórica com vocação essencialmente turística. As casas são conservadas no estado em que foram abandonadas quando Harpers Ferry perdeu o interesse geoestratégico que tivera até ao sec. XIX. A peça de roupa dependurada na janela pretende reproduzir os hábitos dos residentes de Harpers Ferry no passado.
Tal qual como em Lisboa, aliás...

OS DIAS DO LEILÃO : 2

A propósito de "Salazares de nós" no

Lobi-do-chá , comentei:

Leio este seu post e ocorre-me a anedota do obcecado mamófilo que via maminhas em tudo quanto era sítio.

Anedotas à parte, o seu caso não é invulgar. Uma grande parte dos que escrevem em jornais ou blogues passa a vida a lamentar-se da inferioridade mental dos seus compatriotas.

A si deu-lhe a crise por causa dum leilão em curso. Eu não sei das previsões e muito menos do resultado. Estou fora, vou-me guiando por aquilo que leio no que a net me concede.

Quanto ao leilão...é um leilão. O resultado depende das ofertas e estas custam o preço das chamadas de valor acrescentado. Mas é minha convicção que neste leilão não licitam pessoas decentes ou minimamente inteligentes.

Ainda que alguns se arroguem em privado alguma superioridade rácica e pinchem de libertários.

Ainda há dias, no Arte da Fuga, o Adolfo Mesquita Nunes (Os grandes Portugueses - 7) dizia isto:
" Mas igualmente nada me impede de olhar com alguma estupefacção para os meus conhecidos que nele Salazar) votam ou manifestam intenções de votar. Que a liberdade esteja convosco."

Por que é que isto acontece?

Muita gente que licita no "botas" é gente fina com mesada suficiente para muitos lances. Quem não tem dinheiro não vai a leilões.

Quanto ao síndrome da lamentação e do choro que ataca forte e feio a rapaziada dos jornais e dos blogues, é matéria a que já dediquei algumas reflexões no meu blogue: uns choram por necessidade de mamar (o exemplo mais acabado é o do Vasco Pouco Pulido e Nada Valente), outros choram porque vêm chorar. Este é o sintoma do jardim-escola que explica a outra parte do síndrome. Muito provavelmente, V. faz parte deste grupo.

Saturday, March 24, 2007

Harpers Ferry


Na confluência dos rios Shenandoah e Potomac, teve uma importância primordial nos confrontos da Guerra Civil americana.

CAMPEONATO EUROPEU

A União Europeia está a celebrar o seu 50º. aniversário mas nem toda a gente lhe canta os parabénsavocê da mesma maneira. Eurocépticos, sempre houve e continuará a haver, para eles a Europa é um continente velho demais para se meter em aventuras: quanto menos mexer menos riscos corre de perder o equilíbrio. Os europeístas, por outro lado, nem sempre cantam afinados: para uns, o combóio já chegou à estação de destino, para outros acabou agora de sair da estação de partida.
.
A construção europeia é um desafio complicado. Desde o momento em que o seu acto primordial foi assinado em Roma até à proposta recente de uma Constituição Europeia, a evolução tinha sido no sentido da aceleração da integração económica para a integração política. A rejeição da França e da Holanda veio travar o movimento que o combóio tinha adquirido até aí, mas não houve descarrilamento. Em todo o caso, pode o combóio mover-se agora de forma mais lenta mas não pode parar nem voltar ao ponto de partida. Tendo como objectivo essencial a paz europeia, a União, se fracassasse, abriria fissuras por onde se escapariam os ovos da serpente.
.
Para Portugal, a integração europeia se teve algum senão foi ter chegado tarde. Após a aventura quinhentista, Portugal perdeu ou desperdiçou todas as oportunidades para se confrontar na Europa. Voltados para o nosso umbigo, orgulhosamente sós, não fomos desafiados para a modernidade que varreu a Europa do antigo regime. Sem desafios externos, amolecemos os músculos e as meninges. O atraso de que tanto nos lamentamos vem dessa insuficiência de exercício e de excesso de sesta. A entrada no campeonato europeu se nos acarreta alguns dissabores é, no entanto, fundamental para aprendermos a jogar com os melhores.
.
A entrada no Euro, um exercício provavelmente demasiado pesado para as nossas articulações debilitadas, colocou-nos a fasquia um pouco alta mas não demasiado: de qualquer modo a adesão à Europa vincular-nos-ia a uma disciplina monetária restrita, independentemente da nossa entrada ou não no Euro.
.
Evidentemente que um campeonato tão exigente requer alguma dolorosa preparação física. Felizmente, não temos alternativas.

Georgetown


NOTÍCIAS DO BLOQUEIO: O TANOEIRO

A ler Anjo-da-Guarda

Ouço-lhe as recordações e liga-se-me a corrente que põe em movimento o mundo dos nossos avós. Era um mundo cheio de gente na rua, nas hortas, nas vinhas, nos pinhais à volta, nos campos de arroz do Mondego. Era um mundo com calor que era uma torreira, com frio que nos enregelava os ossos, com chuva tocada por ventos assobiados por algum deus mal disposto, mas também com o sol sereno das tardes de Outono, as neblinas misteriosas das manhãs de Verão, a apoteose da natureza na Primavera, o tempo passava e a gente sentia-o, gravava-se-nos indelevelmente o enredo, o cheiro, o cenário e a música de fundo. A acção tanto pode ter cinquenta anos como setecentos com ligeiras alterações, com dezenas de protagonistas irmanados no desempenho das suas vidas interdependentes num mundo circunscrito.

E havia também um tanoeiro. Havia dois, aliás: o Xico Pastor e o pai, o Joaquim Pastor. Em Fevereiro aparecia o tanoeiro para fazer obra nova. As reparações ficavam para o começo do Verão, quando a maior parte do vasilhame já estava despejado e tinha de ser aprontado para a próxima colheita. Naquele ano o Pai decidiu fazer um tonel porque as pipas já não cabiam todas na adega.

O Xico Pastor teria, na altura, uns cinquenta anos e pai rondaria os oitenta. O filho era alto e demorado, o pai mais franzino e frenético. O filho tirava da orelha o lápis espalmado, vermelho, de carpinteiro, e fazia com ele círculos no ar à medida que desbobinava a conversa antes de começar a riscar as aduelas. No pai, o bigode torcido nas pontas movia-se ao ritmo dos braços de um maestro a reger sempre em andamento súbito. O filho fazia que ouvia as ordens e tocava pianíssimo. A arte de tanoeiro exigia sensibilidade apurada por muitos anos de trabalho e não se dava bem com andamentos rápidos. A obra era um puzzle que exigia que as peças recortadas se encaixassem definindo um volume elegante e sem a mínima frincha. A madeira de carvalho dobrava-se convenientemente à custa do calor de uma fogueira que ardia no centro da obra e de muita pancada certeira no ponteiro que empurrava os aros para o abraço preciso das aduelas.

O Joaquim, de dedo em riste, a comandar os trabalhos do filho parecia o duque de Saldanha a dar ordens, lá de cima, ao Marquês de Pombal, cai em baixo, negligentemente a passear o leão. Mas estas parecenças, eu só viria a tirá-las anos mais tarde.

Às tantas estava o Xico empoleirado a tentar encaixar a última abraçadeira e o Joaquim redobrava as instruções por minuto. Quando, para chegar ao filho um ponteiro mais rijo, o Joaquim se voltou para trás, ao voltar ao leme, o Xico tinha desaparecido do horizonte. Supôs o Joaquim que ele se tivesse desequilibrado e caído para dentro da obra, mas não: tinha-se concedido um intervalo para apanhar ar e verter águas. De modo que quando o Xico voltou da folga, encontrou o pai dependurado, a olhar para dentro do tonel à procura dele, e perguntou-lhe, irónico: Perdeu alguma coisa, pai?
Respondeu-lhe o velho, sarcástico: Olha, pois perdi, mas não está cá dentro. Deve ter ido de férias.

Era a constante desavença amena que os irmanava.

Hoje, já não há adega, nem tonéis, nem pipas. Sobrou o fuso da prensa, elemento decorativo da adaptação que foi feita. Olho para os braços da prensa e recordo-me dos braços do velho comandante Joaquim Pastor. Tal e qual os braços do duque de Saldanha: enérgicos e ignorados.

Friday, March 23, 2007

Georgetown : N Street


SIMPLESMENTE, JOSÉ

Caro Luciano!
.
Dizes-me do alvoroço que anda por aí acerca do título do engenheiro primeiro, ninguém contestando que ele seja primeiro mas duvidando alguns que ele seja engenheiro. Só na nossa terra!
.
Li hoje num jornal daqui (USA Today) a notícia acerca de uma exposição sobre aspectos da vida privada dos seus presidentes e, nomeadamente, dos seus mais frequentes do que esperados insucessos escolares. E ninguém se espanta. A América fundou-se sem títulos e sem esgrimir diplomas, cada um que mostre o que vale.
.
A celeuma à volta das habilitações de JS poderia ter-se voltado para a crise endémica que parece ter tomado conta de uma parte importante do ensino universitário particular em Portugal. Mas a investigação acerca da formação académica do nosso engenheiro-primeiro dava mais edições e emissões e a corrente foi por aí. E foi, evidentemente, porque o engenheiro chegou a primeiro. Dizendo isto não se pretende dizer que se desvalorizem as batotas académicas e outras que serviram de trampolim para muita gente colunada ou ignorada da nossa praça. O que parece estar em causa, porém, em toda este ruído não são as capacidades inatas ou adquiridas, demonstradas ou por demonstrar do engenheiro mas o título que ele antepõe a José. No sec. XXI, em Portugal, o título ainda é um emblema de clube, sintoma de que o país ainda não abriu todas as portas à modernidade e continua parcialmente a viver no tempo em que a ambição era ser barão ou visconde para quem, por razões da cor do sangue não podia aspirar a conde.
.
Competindo à Presidência da República a atribuição de comendas, incumbência que os sucessivos titulares têm desempenhado com elevada produtividade, compete às Ordens Corporativas a atribuição de títulos profissionais a quem ainda não ainda não foi brindado comendador. O de engenheiro é um desses títulos. Poderia a respectiva Ordem reservar-se a competência para reconhecer ou não às escolas de engenharia qualidade suficiente para o exercício de determinadas funções, partindo do princípio que os empregadores andam distraídos e precisam de um guia espiritual. Mas não: Arrogam-se o direito de outorga titular.
.
De modo que se a Ordem não reconhece os cursos da desordenada Independente, dali não saiu ninguém com título e o nosso primeiro-engenheiro terá da passar a ser simplesmente José. O que lhe trará algumas vantagens: engenheiro, que em Portugal é título, confunde-se vulgarmente na Europa com qualquer profissão técnica desde electricista a mecânico de automóveis. Como engenheiro, o José corria até agora o risco de ser convidado a resolver alguma encrenca mecânica que lhe passasse por perto, e ficaria mal visto. Até porque a sua especialidade (académica) é o tijolo, segundo parece.
.
Exhibit offers peek into presidents' youth

Dwight D. Eisenhower Presidential Library and Museum
By
Andrea Stone, USA TODAY
WASHINGTON — Harry Truman was a terrible speller. John F. Kennedy earned a D in history at Harvard. George H.W. Bush failed chemistry in high school. His son got straight A's in first grade.
Those and other revelations about the school days of presidents are part of an exhibit opening March 30 at the National Archives here. In 151 report cards, school transcripts, class photos and artifacts, School House to White House: The Education of the Presidents shows a little-seen side of the chief executive.
more:

Georgetown : N Street - The Laird-Dunlop House


Construída por John Laird, negociante de tabacos, pertenceu mais tarde a Robert Lincoln, filho do Presidente Lincoln.

CONTOS AMERICANOS - A MANTEIGA E O IRAQUE

Retreat and Butter

Are Democrats in the House voting for farm subsidies or withdrawal from Iraq?
Friday, March 23, 2007; Page A16


TODAY THE House of Representatives is due to vote on a bill that would grant $25 million to spinach farmers in California. The legislation would also appropriate $75 million for peanut storage in Georgia and $15 million to protect Louisiana rice fields from saltwater. More substantially, there is $120 million for shrimp and menhaden fishermen, $250 million for milk subsidies, $500 million for wildfire suppression and $1.3 billion to build levees in New Orleans.

Altogether the House Democratic leadership has come up with more than $20 billion in new spending, much of it wasteful subsidies to agriculture or pork barrel projects aimed at individual members of Congress. At the tail of all of this logrolling and political bribery lies this stinger: Representatives who support the bill -- for whatever reason -- will be voting to require that all U.S. combat troops leave Iraq by August 2008, regardless of what happens during the next 17 months or whether U.S. commanders believe a pullout at that moment protects or endangers U.S. national security, not to mention the thousands of American trainers and Special Forces troops who would remain behind.

The Democrats claim to have a mandate from voters to reverse the Bush administration's policy in Iraq. Yet the leadership is ready to piece together the votes necessary to force a fateful turn in the war by using tactics usually dedicated to highway bills or the Army Corps of Engineers budget. The legislation pays more heed to a handful of peanut farmers than to the 24 million Iraqis who are living through a maelstrom initiated by the United States, the outcome of which could shape the future of the Middle East for decades.

Congress can and should play a major role in determining how and when the war ends. Political benchmarks for the Iraqi government are important, provided they are not unrealistic or inflexible. Even dates for troop withdrawals might be helpful, if they are cast as goals rather than requirements -- and if the timing derives from the needs of Iraq, not the U.S. election cycle. The Senate's version of the supplemental spending bill for Iraq and Afghanistan contains nonbinding benchmarks and a withdrawal date that is a goal; that approach is more likely to win broad support and avoid a White House veto.

As it is, House Democrats are pressing a bill that has the endorsement of MoveOn.org but excludes the judgment of the U.S. commanders who would have to execute the retreat the bill mandates. It would heap money on unneedy dairy farmers while provoking a constitutional fight with the White House that could block the funding to equip troops in the field. Democrats who want to force a withdrawal should vote against war appropriations. They should not seek to use pork to buy a majority for an unconditional retreat that the majority does not support.

Leesburg (Virgínia)


MARIZA NO KENNEDY CENTER, HOJE

MARIZA "Concerto em Lisboa" Times Square

WHEN A CD IS accompanied by a DVD, the video seldom has more to offer than routine concert footage, backstage interviews and promotional gambits. Not so with this double-disc set. As entertaining as it is to hear Lisbon-bred fado singer Mariza performing in her home town on disc one -- all the more so because she's featured in an orchestral setting that consistently complements her lusty, dramatic, soulful voice -- the real treat is an illuminating video documentary titled "Mariza and the Story of Fado." Besides exploring the music's intriguing history, which has been affected by frequently shifting cultural and political winds, the DVD features vintage performances (and an interview) with fado queen Am?lia Rodrigues, whose death in 1999 triggered three days of mourning in Portugal. Watching her perform, it's easy to understand the deep emotional connection Rodrigues had with audiences around the world and the profound influence she continues to have on Mariza and other contemporary fadistas.
Listeners familiar with Mariza's recordings won't find many surprises on the CD, but the fresh arrangements (and doubtless the Lisbon setting) inspire stirring performances of "Loucura," "Meu Fado Meu" and other tracks that have appeared on recent studio albums. The DVD also finds her performing, albeit in far more intimate and informal settings, while visiting old haunts in Lisbon, that "harbor of longing / Where a guitar plays a sad fado / When the soul overflows / Its sadness sings and weeps silently."
.
Appearing Friday at the Kennedy Center Concert Hall.
Listen to an audio clip of Mariza

Leesburg (Virgínia)


PRÓSPERO

Próspero era duque de Milão, foi desterrado para uma ilha durante doze anos com a sua filha, Miranda, após lhe ter sido usurpado o ducado por seu irmão António com a ajuda de Alonso, rei de Nápoles. Durante doze longos anos é Gonzalo, um amigo de longa data, que lhe faz chegar à ilha mantimentos, roupas e livros. Próspero preza mais os livros e as suas artes mágicas que o poder. Um dia, contudo, Próspero chama Ariel, um espírito, e dá-lhe ordens para provocar uma tempestade no mar onde navega o rei de Nápoles, António e uns quantos outros, entre os quais Gonzalo. A tempestade prega-lhes um grande susto mas ninguém morre, por decisão de Próspero, e todos dão à costa da ilha para onde foi Próspero desterrado.
.
Porque se sujeitou Prospero a um tão longo desterro se os seus poderes eram tão vastos e a facilidade de os mobilizar tão evidente?
.
Dúvida antiga que continuará sem resposta enquanto for questionada da mesma forma.

Thursday, March 22, 2007

Leesburg (Virgínia)


OS DIAS DO LEILÃO

Preocupante não é que gente que dormia a sono solto em 1974 tenha continuado a ressonar, e se lhe perguntarem, estremunhada garanta a pés juntos que não há tempo como o do outro senhor, e pague por isso uma chamada de valor acrescentado.
.
Preocupante é que gente jovem, que se diz liberal, não faça a mínima ideia do que é viver ela. Preocupante é que esta gente confunda liberdade com libertinagem.
.
Na A Arte da Fuga há uma série de "post" sintomáticos dos entorses à liberdade na perspectiva de alguma direita portuguesa que se diz liberal. Transcrevo o mais recente "post" de Adolfo Mesquita Nunes sobre a questão, seguido do meu comentário:
.
Grandes Portugueses (7)

Uma coisa é desmistificar Salazar. Encontrar-lhe as feições humanas e políticas que presidiram à sua governação e não, como muitos pretendem, deixá-lo emoldurado num retrato oficial. Outra, completamente diferente, é votar nele como grande português, acima de qualquer outro. Não há nada que o impeça, claro. E quem assim pensa, espero que aja em consequência, votando. Mas igualmente nada me impede de olhar com alguma estupefacção para os meus conhecidos que nele votam ou manifestam intenções de votar. Que a liberdade esteja convosco.
.
Amen!
.
"Caso queiras saber se um homem preza a liberdade, não lhe perguntes, observa-o"
.
Não foi bem isto que Wittgenstein disse, mas foi parecido.
A grande vantagem desses seus amigos foi não terem nascido durante o consulado salazarista. A grande desvantagem é terem nascido politicamente míopes. Ou então não sabem o que é a liberdade, do mesmo modo que, provavelmente, não sabem de que é feito o ar que respiram.

Wednesday, March 21, 2007

Leesburg : Old Tavern


Fish and chips : servidos embrulhados em papel de jornal por fora e papel vegetal por dentro.
$7,50

CONTOS AMERICANOS - CHIQUITA BANANA

Colombia May Seek Chiquita Extraditions

Eight Executives Targeted in Paramilitary Payment Scandal

By Juan ForeroWashington Post Foreign ServiceWednesday, March 21, 2007; Page D01

BOGOTA, Colombia, March 20 -- Colombia's attorney general said Tuesday that his office would try to seek the extradition of eight executives from Chiquita Brands International, the Ohio banana company that last week admitted to paying $1.7 million to right-wing death squads that have killed thousands in this country's long civil conflict.
In deal with the Justice Department, Chiquita last week agreed to plead guilty to doing business with the United Self-Defense Forces of Colombia, a coalition of paramilitary groups whose members have massacred peasants and murdered leftist activists for years. In agreeing to pay a $25 million fine, the company characterized the payments as extortion that helped protect banana workers in the northwest Uraba region near the border with Panama.
more:
Preço de algumas frutas na área de Washington DC:
banana - 0,49/libra
maçã - 1,69/libra
laranja - 0,79/ cada

Leesburg : Lightfoot Restaurant


Nem sempre os bancos tomam de assalto os cafés. Em Leesburg (VA) o restaurante Lightfoot
ocupa, desde 1999, as instalações que foram do Peoples National Bank durante mais de meio século. Provavelmente, o nome do banco não o ajudou.

DIAS DE NEVOEIRO

As notícias e comentários políticos dos últimos dias transbordam de CDS. Paulo Portas, se outro mérito não teve com este seu assalto ao Caldas, pôs toda a gente a falar dele, de tal modo que poderia Marques Mendes propor a extinção pura e simples dos impostos e ninguém daria por isso. Os holofotes foram montados no Caldas e não vão ser desmontados tão cedo.
Os jovens liberais estão desconsolados: olhem para onde olharem, só vêm batalhas campais nos territórios que eles presumem ser seus. Paulo Portas, decididamente, não lhes convém.
.
A
A Arte da Fuga junta-se ao coro que se formou nestes dias de nevoeiro tentando vislumbrar, para além neblina, o Desejado.
.
Li a leitura recomendada e chego à conclusão de que houve, certamente lapso na composição: o texto de Tiago Mendes não é leitura recomendada mas leitura requentada.
.
TM diz neste seu texto o que Vasco Pulido Valente dizia numa crónica há uns dias atrás, que era o que ele dizia noutra crónica mais atrás, e assim sucessivamente para trás, ainda que de forma mais abrangente a todo o espectro político: não há políticos capazes em Portugal, quando temos de arranjar um primeiro-ministro temos de ir buscá-lo ao sótão.
.
Com alguma dificuldade Tiago Mendes descortina algumas potencialidades em Paula Teixeira da Cruz porque ainda é relativamente desconhecida. Se subir para o pódio o mais certo é evidenciarem-se-lhe cicatrizes.
.
Ora o problema maior de Portugal não é vermos o VPV (que já está velho) a chorar para um lado( e já se sabe porquê) mas termos, por outro lado, o Tiago Mendes e muitos outros jovens, mais liberais ou menos liberais, lavados em lágrimas.
.
Numa perspectiva liberal de que o mercado (a mão invisível) é infalível (eu diria, mais ou menos) na conjugação arbitral entre a oferta e a procura, há uma incógnita imensa que é primordial resolver para que a tal mão não se desprestigie: Se há políticos capazes a menos (a acreditar em TM parece que não há mesmo quase nenhuns, se algum há) e analistas argutos e inteligentes a mais, o que é que impede que tantos jovens de elevado potencial tomem conta do barco?
.
Quanto às sugestões de Tiago Mendes para formatar um Partido Liberal coloca-se-me uma grande dúvida: se no elenco de posições ou propósitos é possível a coabitação do liberalismo económico e do liberalismo dos costumes.Até hoje, suponho, é na dificuldade dessa conciliação que têm residido os maiores obstáculos à sustentação de um liberalismo coerente com a sua designação.
.
Ou não?

Tuesday, March 20, 2007

Washington DC : Embaixada da Estónia


A GUERRA ENTRA NO QUINTO ANO

Bush Implores Nation, Congress To Show 'Courage and Resolve'

By Michael A. FletcherWashington Post Staff WriterTuesday, March 20, 2007; Page A01

President Bush asked skeptical Americans for additional patience as the
Iraq war entered its fifth year yesterday, saying that the United States can be victorious, but "only if we have the courage and resolve to see it through."

In a brief address to the nation four years after he ordered U.S. forces to invade Iraq, Bush also warned the Democratic-led Congress not to pass a measure scheduled for a vote in the House this week that would require troops to withdraw from the conflict.

more:

http://www.washingtonpost.com/wp-dyn/content/article/2007/03/19/AR2007031900185.html

Washington DC - Embaixada da Turquia


DONA BRANCA FOI À CHINA

Ant Fraud Yields Death Sentence

By Ariana Eunjung ChaWashington Post Foreign ServiceTuesday, March 20, 2007; Page D01

YINGKOU, China -- To hear Chinese authorities tell it, Wang Zhendong is a danger to society, the worst kind of person, one who took advantage of his fellow citizens' naivete and trust. Last month, a court here gave him the death penalty for his crimes.
Wang's misdeed: selling overpriced ant farms to the public.
As China moves fitfully from a planned economy to a free-market system, cracking down on fraud, embezzlement and other financial schemes has become a major priority for the government. Among the cases taken most seriously are ones that harmed common people.

In Wang's case, for instance, investors shelled out 10,000 yuan, the equivalent of about $1,300, for cardboard boxes full of black ants, purportedly rare ones sometimes used in China to make medicines and wine but actually worth about $25.

Over two years, more than 36,700 residents of 12 towns in China's northeastern Liaoning province were tricked out of nearly $400 million, resulting in many of them losing their life savings. At least one investor committed suicide.

"This crime has seriously disrupted the financial order, social environment and the interests of ordinary people," said Wang Xinquan, vice director of financial affairs for the province.

In China, where more than 60 types of crimes -- including economic ones like tax fraud and bribery -- are punishable
including economic ones like tax fraud and bribery -- are punishable by death, the government has been criticized for its broad application of the death penalty. Some estimates put the number of court-ordered executions at as high as 10,000 a year. In 2005, Amnesty International logged 1,770 executions, or about 80 percent of the known total worldwide.

Last year, China sought to lower the number of executions by enacting a law that requires all death sentences to be reviewed by its supreme court; last week, the country's chief justice affirmed that the court would uphold only an "extremely small" number of such sentences.
But at the same time, it defended use of the punishment for financial crimes, which the government says rose 11 percent last year as unscrupulous people sought to take advantage of the booming economy.

In recent months, two former employees of China Construction Bank -- Zhou Limin, who was a branch manager, and accountant Liu Yibing -- were put to death by lethal injection for stealing almost $52 million from customers by offering bogus accounts that they said would earn high interest rates. And Li Rongxing, an oil executive, was given the death sentence for embezzling more than $4 million and taking $620,000 in bribes.

Supreme People's Court President Xiao Yang told the audience at a criminal law conference in November: "It is necessary to use the death penalty in China to punish criminals who commit extremely serious crimes in order to safeguard state security, public interests and smooth operation of economic construction."

The case of Wang Zhendong is one of the more bizarre scams. He grew up on a farm just outside Yingkou, a port city along China's northeastern coast, as famous for its piano workmanship as for its steel industry. After graduating from high school and finishing a stint in the army, Wang founded the Yingkou Donghua Trading Group in July 2003, according to law enforcement authorities.

The company's name in Chinese -- at 20 characters -- was unusually long in a language known for brevity, and it purported to show that the company was involved in plastics, machine tools, electrical machinery, fisheries, wine, soft drinks, silk and even chicken breeding. On the surface, at least, the company thrived, with 10 subsidiaries and 800 employees.
Wang's picture was often snapped as he stood next to government officials. His company was known for its philanthropy and was the subject of a propaganda piece in the local newspapers.


Su Changhong, deputy leader of the economic investigations unit for the Liaoning police, said Wang, who was married with three children, was known for giving gifts of large sums of cash to friends and relatives. "It was a way to show off his identity as a really rich guy," Su said.
But law enforcement officials say there was a dark side to the happy family man. He kept two mistresses, they said, and more importantly, his company was a facade, built on a pyramid scheme.

The company's advertisements called out to investors with an enticing offer: Invest the equivalent of about $1,300. Get two boxes of "rare" ants. Raise them for the company, and 10 times a year get $52 for your work. In one year, a participant would make about $520, a whopping 40 percent return.

People did get paid, at first, but it turned out that those high returns were being financed not by profits from real economic activity but by money flowing in from subsequent investors. The term doesn't exist in China, but in the United States, that would be called a Ponzi scheme, after Charles Ponzi, a Boston scammer who briefly became a millionaire in 1920 by using such a fraud.

For Wang Ling, 46, who operates a fruit stand with her husband, it seemed like a sound investment. She and her husband had $13,000 they were saving for their daughter's college education, but in the bank, it was earning about 4 percent a year.

"It seemed so easy," she said. "The work was little; the interest was high."

So she put down the money and cleared out a corner of her living room for the ants. Stacked on top of each other from floor to ceiling, the ant boxes became her life for more than a year. Through the window, she watched the long ants run around the grass in the box. Twice a day, she sprayed sugar water inside, and every three days, she placed pieces of cake there.

She wasn't particularly fond of ants, and it wasn't fun work, but, she said, "I was willing because I thought I was making money."

Along with other big investors, she got a tour of the company and felt confident that the ants were being turned into wine and medicines that would be sold at a profit. The Chinese have eaten certain ants, brewed wine from their bodies and turned them into medicines for thousands of years.

Each month, someone from the company came in a car to pick up the ants and pay her.
more: